Constrangimento no PP com rejeição ao nome da mulher de Kássio Nunes

Causou surpresa no PP o tom da nota do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), que recusou empregar na 4ª Secretaria da Mesa, que comanda, Maria Socorro Marques, mulher do desembargador Kássio Nunes Marques, indicado por Jair Bolsonaro para uma vaga no STF.

O desembargador foi indicado pelo presidente do PP, Ciro Nogueira.

Ainda ontem, domingo, Heinze, quando tomou conhecimento da indicação de Socorro para um cargo na secretaria, reagiu com dureza. Disse não ter nada com isso e rejeitou a nomeação demitindo-a nesta segunda.

Heinze contou que a vaga foi cedida à presidência do partido e foi usada para atender ao recém-filiado senador Elmano Ferrer (PP-PI), que indicou Socorro.

“No momento em que o senador Heinze soube da relação conjugal entre a servidora e o indicado ao STF, e sempre em busca da transparência e moralidade, ficou decidido que a senhora Maria do Socorro Marques será desvinculada da Quarta Secretaria nesta segunda-feira, dia 5, primeiro dia útil após a ciência dos fatos”, afirmou o senador gaúcho na nota.

O descontentamento de Heinze vai do início ao fim da nota.

Continua após a publicidade