Ato de Moraes derruba mais uma ilusão bolsonarista na PF

Na sexta-feira, o ministro Alexandre de Moraes afastou o delegado Felipe Alcântara Leal do comando do inquérito que investiga a suposta interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal, caso denunciado pelo ex-ministro Sergio Moro.

A decisão de Moraes veio depois de o delegado ter utilizado o procedimento para investir contra o diretor-geral da PF, Paulo Maiurino.

No Planalto, auxiliares de Bolsonaro enxergaram outro recado nesse movimento. O de que a relação institucional entre o Supremo e a cúpula da PF está mais próxima do que o presidente da República gostaria.

O Radar mostra na edição de VEJA que está nas bancas como o Planalto chegou a avaliar os riscos de uma prisão de Carlos Bolsonaro, por ordem do STF. Para o presidente, a PF poderia se recusar a cumprir ordem.