Senador anuncia projeto de lei para diminuir crimes envolvendo falsos entregadores

Nesta quarta-feira, 4, o senador Giordano (MDB-SP) concedeu entrevista ao vivo para o Jornal da Manhã, da Jovem Pan News, para falar sobre o projeto de lei que ele propôs que visa exigir que empresas de delivery forneçam obrigatoriamente mecanismos de identificação para entregadores de aplicativos e empresas. A sugestão foi feita após os números de roubos e furtos por falsos entregadores crescerem na cidade de São Paulo, maior centro urbano do país. Segundo Giordano, a modernização de pontos de segurança e a integração das polícias se faz necessário num contexto em que a tecnologia já se desenvolveu rapidamente no Brasil.

“Com a evolução do sistema de entregas no nosso país, a evolução da rapidez, da modernidade, acho que algumas leis se tornaram retrogradas”, diz Giordano. O projeto de lei proposto, que ainda vai passar por votação, pede que as empresas, os entregadores e seus veículos (seja moto, bicicleta, patinete ou outro) sejam registrados em uma plataforma de segurança, passando a receber um QR Code de identificação. “Na abordagem, fica mais simples ter uma identificação visual do motoboy (…) o equipamento público agora tem que ter equipamentos de tecnologia, leitura de QR Code, fotos, cadastro em sistemas mais integrados com as polícias. A gente está lutando para ter uma integração entre as polícias para a gente cada vez mais fazer um cerco maior para pegar os delitos em flagrantes, evitar grandes mortes”, alega o senador.

Giordano ainda informou que vem se articulando com o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) e outros lideranças da Casa para colocar o projeto de lei em votação em breve. Ele também anunciou uma interlocução em prol do projeto com o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), os chefes da polícia civil e militar do Estado e o pré-candidato ao Palácio dos Bandeirantes apoiado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), Tarcísio de Freitas (Republicanos), que, segundo Giordano, “adorou a ideia” do projeto de lei. “Esse case, acho que vai ser de sucesso se aplicado em São Paulo, diminuindo a violência que está absurdamente descontrolada”, declarou.

Artigo anteriorEndividamento de famílias paulistanas atinge recorde em abril, diz FecomercioSP
Próximo artigoManoel Conde Neto acredita nesse método para organização assertiva das contas da farmácia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui