Uma mulher de 112 anos igualou o recorde de paciente mais idoso a morrer por coronavírus no Rio Grande do Sul

Divulgado neste sábado (20), o mais recente boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (SES) acrescentou 8.575 testes positivos e 307 mortes por coronavírus. Os óbitos incluem uma adolescente de 12 e uma anciã de 112 anos – igualando assim um recorde etário já registrado anteriormente.

A atualização elevou para 788.704 o número de casos confirmados da doença no Rio Grande do Sul desde o começo da pandemia, ao passo que as perdas humanas totalizam 16.814.

Os desfechos fatais de Covid totalizam 1.931 em território gaúcho nos últimos sete dias, o que representa uma média de 275 vítimas a cada 24 horas. Caso esse ritmo se mantenha até o fim do mês, o Estado deve chegar a abril com uma soma de quase 20 mil falecimentos em mais de um ano de pandemia.

Dentre as pessoas infectadas pelo coronavírus em todos os 497 municípios gaúchos, 736.605 (93%) estão recuperadas. Já os casos atualmente sob acompanhamento das autoridades de saúde são 35.218, incluindo desde os assintomáticos cumprindo quarentena em casa até os pacientes graves internados em leitos de terapia intensiva.

Ainda sobre a lista de óbitos deste sábado, a garota de 12 anos morava no bairro Pasqualini, em Sapucaia do Sul (Região Metropolitana de Porto Alegre), e estava internada na unidade de pronto atendimento (Upa). Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, ela não tinha comorbidades.

Já a idosa de 112 anos faleceu em Três Passos (Região Noroeste do Estado), havia sido internada no Hospital de Caridade na quinta-feira (18). Ela passou a dividir o recorde etário para vítimas do coronavírus no Rio Grande do Sul com uma mulher de mesma idade, residente na Capital e que sucumbiu no dia 13 de janeiro.

Antes disso, as pessoas mais velhas a não resistirem à doença eram duas anciãs de 108 anos, ambas na Região Noroeste mas em locais e momentos. O primeiro caso ocorreu em junho do ano passado, com o óbito uma das internas de em um lar de idosos na cidade de Santo Ângelo. Já o segundo aconteceu em novembro, no município de Água Santa envolvendo uma paciente de identidade não foi detalhada.

Um ano desde a primeira vítima

A próxima quinta-feira, 25 de março, marcará a passagem de um ano desde o registro da primeira morte por coronavírus no Rio Grande do Sul. O óbito inaugural teve como vítima uma porto-alegrense de 91 anos, internada na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Moinhos de Vento.

Esse óbito aconteceu duas semanas após a confirmação da chegada oficial da pandemia ao mapa gaúcho, no dia 10 de março de 2020, e quase um mês depois de São Paulo anunciar a primeira notificação no Brasil.

O primeiro teste positivo no Estado envolvia um homem de 60 anos, residente em Campo Bom (Serra) e que no dia 23 de fevereiro havia retornado de viagem à Itália – um dos epicentros internacionais da doença na época.

Enquanto a informação era divulgada, o Palácio Piratini já admitia a notificação de outros 86 casos suspeitos de contágio que permaneciam sob observação. Uma dessas pessoas se tornaria, no dia seguinte, o caso comprovado de número dois no Estado e a primeira na estatística de Porto Alegre: uma mulher de 54 anos e que também fizera turismo na Itália.

(Marcello Campos)