Secretaria da Saúde do RS divulga orientações sobre documentos para comprovar comorbidades

A Secretaria da Saúde do RS publicou nesta terça-feira (04) uma nota com orientações sobre a vacinação das pessoas com comorbidades. O documento apresenta sugestões de laudos e receitas para comprovar que a pessoa faz parte do grupo das comorbidades a ser vacinado contra o coronavírus, proporcionando agilidade ao processo de imunização.

“Para não engessar o andamento das aplicações e também evitar possíveis fraudes, preparamos esse documento para servir de balizador aos trabalhadores da ponta. Algumas especificações das comorbidades nos planos de imunização nacional e estadual são muito complexas, dificultando para um profissional não médico avaliar”, explicou a diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, Cynthia Molina Bastos.

Cada município, porém, tem autonomia para decidir como realizar a comprovação da comorbidade no momento da vacinação. A secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, acrescentou que é preciso alcançar os que mais precisam receber a vacina e evitar os fura-fila. Não devem ser aceitos laudos médicos sem especificações claras das condições e comorbidades descritas no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

A nota aponta estratégias com o objetivo de garantir transparência e fiscalização do grupo das comorbidades, como utilização do prontuário eletrônico, cadastro prévio das pessoas no Sistema de Informações do Plano Nacional de Imunizações ou outros documentos.

Os documentos comprobatórios de alguns tipos de comorbidade podem ser aceitos independentemente da data de validade, em casos de diagnósticos sem cura conhecida. A SES recomenda ainda a busca ativa de pacientes que fazem uso de, por exemplo, antidiabéticos e imunossupressores.