Reunião no Palácio Piratini discute incentivo a culturas de inverno no Rio Grande do Sul

Coordenada pelo governador em exercício, deputado Ernani Polo, reunião no Palácio Piratini, com participação presencial e também por videoconferência de lideranças políticas, representantes setoriais, pesquisadores e instituições bancárias, tratou sobre a otimização das culturas de inverno para melhorar a competitividade do agronegócio gaúcho, principalmente da proteína animal.

Entre os participantes esteve a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, por vídeo, o ex-ministro da pasta Francisco Turra, que atualmente é presidente do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), e o secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural em exercício, Luiz Fernando Rodriguez Junior.

“A otimização das culturas de inverno é fundamental para ampliarmos a produção agropecuária do nosso Rio Grande. Temos um potencial expressivo, especialmente na proteína animal, e a demanda deve aumentar quando, em seguida, formos reconhecidos como um Estado livre de aftosa e abrirmos as portas para exportação. No entanto, os produtores têm dificuldade para alimentação dos animais. E cabe ao Estado ser o articulador deste processo de incentivo às culturas de inverno com as instituições financeiras, os setores produtivos e as entidades para que possamos avançar”, destacou Ernani Polo.

Uma das alternativas discutidas na reunião envolve um programa gaúcho para incentivo a culturas alternativas ao milho, cujas safras vêm sofrendo quebras no RS, para produção de ração animal. A proposta é ampliar o cultivo de cereais como trigo, aveia, cevada triticale no intervalo entre as safras.

De acordo com o secretário Luiz Fernando, o governo trabalha de forma integrada entre Agricultura, Fazenda, Desenvolvimento Econômico e Planejamento, Governança e Gestão, para desenvolver políticas públicas tanto para o incentivo a culturas de inverno quanto para minimizar os efeitos das estiagens, para conservação de solo e aumentar a reservação de água.

Em sua manifestação, Tereza Cristina afirmou que o Ministério da Agricultura está à disposição para ouvir as demandas e trabalhar de forma conjunta, com o governo do Estado, os deputados, as entidades setoriais e os órgãos de pesquisa, para construir as soluções necessárias.

“As culturas de inverno são importantíssimas para que não tenhamos sobressaltos que tivemos no RS no ano passado e neste ano também com a seca e que traz prejuízos enormes a uma região importante na produção de proteína animal do nosso país. Um segmento que gera emprego, renda e fornece alimento para tanta gente não pode ficar à mercê do clima nem ficar com altos custos de produção quando há quebra de safra de uma cultura como a do milho. Por isso, vamos trabalhar juntos para acharmos caminhos e alternativas para o RS”, afirmou a ministra.

Um dos objetivos a serem alcançados no Rio Grande do Sul, segundo os representantes setoriais, e ampliar as safras para três – a de verão, segunda safra e de inverno – assim como já ocorre no Paraná.

“Aqui no RS temos subsídio tecnológico pelas mãos da Embrapa para otimizar e expandir as culturas de inverno. E, além disso, existe demanda das agroindústrias de aves, suínos e de lácteos, que estão dispostas a comprar o mercado futuro dos grãos”, afirmou Turra.

Ao final da reunião, o governador em exercício destacou que as alternativas e sugestões serão reunidas e levadas adiante para discutir com os governos estadual e federal e todas as lideranças envolvidas na cadeia produtiva. “Encontros como este nos dão forças e estímulo para seguirmos caminhando juntos”, concluiu Polo.