Porto Alegre terá barreiras e outras ações preventivas para evitar a entrada de variantes do coronavírus pela rodoviária e o aeroporto

A prefeitura de Porto Alegre está preparando ações preventivas na rodoviária e barreiras sanitárias no Aeroporto Internacional Salgado Filho (Zona Norte), a fim de impedir a entrada de novas variantes do coronavírus no Rio Grande do Sul através da capital gaúcha.

No foco da medida estão os passageiros procedentes de áreas de fora do Estado onde a cepa indiana já foi detectada. Também será monitorado o fluxo de pessoas vindas de regiões gaúchas onde tem sido constatado aumento de casos de internações por covid.

A estratégia no sistema aeroportuário deverá ser mais complexa e inclui atenção redobrada também aos passageiros que embarcaram no aeroporto de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, principal ponto de chegada de voos internacionais no Brasil. Para se ter uma ideia, a média de voos atualmente no Salgado Filho é de 30 por dia, dos quais dez são provenientes de Guarulhos.

“Precisamos nos antecipar ao máximo para proteger a cidade, a fim de que não tenhamos de novo os agravamentos de casos que levam à superlotação dos hospitais”, alertou o diretor-geral da Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Fernando Ritter.

Ele e a sua equipe se reuniram nesta quarta-feira (2) com representantes do Aeroporto e também da Estação Rodoviária (Centro Histórico). Nesta última, o grupo percorreu as áreas de desembarque para avaliar pontos onde se poderá concentrar as ações de monitoramento.

Nesta última, foi avaliada a necessidade de manter especial atenção no que se refere ao monitoramento de pelo menos 13 cidades gaúchas que fazem fronteira com o Uruguai e a Argentina, além de Rio Grande (Litoral Sul), que conta com um porto marítimo internacional.

O administrador da Estação Rodoviária, Giovanni Luiggi (ex-presidente do Sport Club Internacional), fez um relato da movimentação de passageiros pelo estado em direção a Porto Alegre.

Ele disponibilizou a estrutura do terminal para que a Vigilância estabeleça pontos de monitoramento junto ao desembarque, especialmente nos boxes onde estacionam os ônibus que vêm de regiões onde há elevação do número de casos.

Dali, a equipe da Vigilância seguiu para o Aeroporto, onde se reuniu com representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da administração do terminal.

Nova reunião

Um segundo encontro será realizado nesta sexta-feira (4) no Aeroporto. Na pauta está a definição de procedimentos e posicionamento das equipes da pasta, que deverão atuar com barreiras sanitárias em áreas como a sala de desembarque onde ficam as esteiras de bagagens.

“Precisamos intensificar estas ações, porque existe o risco de aumento das contaminações por aqui com o trânsito de passageiros vindo de áreas com situação epidemiológica mais grave”, acrescentou Ritter. “Reforçar nossas barreiras sanitárias é fundamental para tentar evitar que tenhamos de novo um pico na pandemia na Capital.”

(Marcello Campos)