O Rio Grande do Sul vai para a nona semana consecutiva de bandeiras pretas em todas as regiões

Pela nona semana seguida no distanciamento controlado, todo o mapa do Rio Grande do Sul tem pela frente uma semana com bandeiras pretas (altíssimo risco para coronavírus). A configuração foi divulgada nesta sexta-feira (23) e tem vigência até o dia 3 de maio, permitindo que as regiões adotem protocolos de bandeira vermelha (alto risco) por meio da cogestão.

Nesta 51ª rodada do modelo, houve melhora na média estadual de internados por covid em leitos clínicos (-12%) e em UTIs (-10%). O número de registros de óbitos reduziu 24% em relação à semana passada. Também foi constada evolução positiva em outros indicadores,

A manutenção da cor preta em todo o Estado se deve à “trava de segurança” do sistema, que coloca as regiões nessa cor mesmo que alguma tenha ficado com a média mais baixa. A salvaguarda da bandeira preta é acionada quando a relação entre leitos de UTI livres e ocupados por pacientes de coronavírus baixa de 0,35. Desta vez, o índice ficou em 0,25.

Destaques

– número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid-19 reduziu 26% entre as duas últimas semanas (2.156 para 1.604);
– contingente de internados em UTI por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) reduziu 8% no Estado entre as duas últimas quintas-feiras (2.226 para 2.045);
– número de internados em leitos clínicos com Covid-19 no RS reduziu 12% entre as duas últimas quintas-feiras (2.723 para 2.403);
– contingente de internados em leitos de UTI com Covid-19 no RS reduziu 10% entre as duas últimas quintas-feiras (2.096 para 1.893);
– número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 aumentou 42% entre as duas últimas quintas-feiras (333 para 474);
– quantidade de casos ativos reduziu 17% no período (de 38.676 para 32.184);
– número de registros de óbito por Covid-19 reduziu 24% entre as duas últimas quintas-feiras (de 1.256 para 956).

Comparativo: situação entre 24/3/2021 e 22/4/

Argumentação

Ao detalhar o decreto que permite a cogestão também para a educação e, consequentemente, a retomada das aulas presenciais nos anos iniciais, o governador Eduardo Leite declarou:

“É importante a população entender que o risco ainda é alto, especialmente em função do quadro de ocupação hospitalar. Os leitos de UTI do SUS estão com 82% de ocupação e nos particulares a taxe é superior a 95%”.

Ele prosseguiu dizendo que este ainda é um indicador alto e, por isso, as pessoas precisam ajudar cumprindo protocolos, denunciando casos de aglomerações e descumprimento de regras pelo disque-denúncia. Por isso mantivemos a trava de segurança com o Rio Grande do Sul em bandeira preta, para que entendam que embora a situação esteja melhorando, não está confortável”.

(Marcello Campos)