O Rio Grande do Sul se aproxima de 20 mil mortes por coronavírus. Vítimas mais recentes incluem um adolescente de 13 anos

Em mais um dia com número elevado de mortes por coronavírus, a Secretaria da Saúde informou nesta terça-feira (30) a ocorrência de mais 414 casos fatais de covid no Rio Grande do Sul, incluindo um adolescente 13 anos e um ancião de 101 anos. A atualização aumentou para 19.432 os desfechos fatais da doença no Estado.

Os testes positivos, por sua vez, chegaram a 839.070 em quase 13 meses de pandemia, com a inclusão de 7.407 novos contágios pelo boletim oficial mais recente. Já os recuperados são 797.587 (95%), ao passo que os indivíduos atualmente monitorados pelas autoridades gaúchas totalizam 21.981.

Ainda no que se refere às perdas humanas para o coronavírus, a média é de 276 a cada 24 horas, nos últimos sete dias. Os idosos continuam predominando entre as vítimas, mas o espectro etário é bastante amplo. Basta conferir nas plataformas digitais e redes sociais do órgão as listas de falecimentos.

Intubação

Um comboio de oito veículos do Exército partiu, nesta terça-feira, do 3º Batalhão de Suprimento, em Nova Santa Rita (Região Metropolitana), para fazer a entrega de 84.346 ampolas de medicamentos do kit intubação a 70 hospitais de 58 municípios gaúchos. Conforme a SES, trata-se da maior remessa desse tipo de item desde o começo da pandemia.

O lote é composto de bloqueadores neuromusculares, sedativos e anestésicos, imprescindíveis nas UTIs para pacientes de covid. Uma parte veio do Ministério da Saúde e a outra foi comprada pelo governo do Rio Grande do Sul, que faz uma ressalva:

“A responsabilidade pela compra desses medicamentos é das instituições hospitalares, não fazendo parte da rotina da Assistência Farmacêutica do Estado. Frente à dificuldade de aquisição no País e ao aumento da demanda desde o ano passado, porém, o governo do Estado e o Ministério da Saúde se articularam para a compra excepcional e distribuição às instituições com estoques críticos e que prestam atendimento pelo Sistema Único de Saúde”.

A SES tem realizado levantamentos semanais junto aos hospitais e pronto-atendimentos, a fim de conferir os estoques dos 22 medicamentos para intubação. A ação de rotina visa acompanhar a quantidade de cada um na rede hospitalar, que já sofreu com escassez em julho do ano passado, também em decorrência da pandemia. Na época, foram adquiridos medicamentos no mercado nacional e internacional, tanto pelo Ministério quanto pelo governo gaúcho.

“O lote de medicamentos recebido do Ministério beneficiará hospitais com leitos de UTI que integram o sistema de regulação estadual e os medicamentos adquiridos pela Secretaria da Saúde, através da ata nacional, contemplam hospitais com e sem leitos de UTI”, explicou a diretora do Departamento de Gestão da Atenção Especializada da SES, Lisiane Fagundes. “A distribuição leva em conta critérios técnicos baseados no relatório semanal que os próprios hospitais nos passam, declarando a situação dos estoques desses medicamentos.”

(Marcello Campos)