O Rio Grande do Sul já recebeu 50 pacientes de coronavírus do Amazonas e de Rondônia

Até agora, o Rio Grande do Sul recebeu 32 pacientes de coronavírus do Amazonas. O grupo mais recente é formado por 15 pessoas desembarcadas em Santa Maria (Região Central) na noite desta terça-feira (2), um dia após a chegada de outras 17. Além disso, 18 habitantes de Rondônia já foram encaminhados a hospitais gaúchos, totalizando assim 50 homens e mulheres.

No caso de Santa Maria, o atendimento contempla homens e mulheres no Hospital Regional, cabendo ao Hospital Universitário a retaguarda logística, caso sejam necessários leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A prefeitura também dá apoio à operação.

Já no que se refere ao grupo de segunda-feira, oito pessoas foram enviadas ao Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre, enquanto o destino das demais foi o Hospital Universitário de Canoas (Região Metropolitana). O transporte, em todos os casos, é feito pela Força Aérea Brasileira (FAB).

“Caso algum paciente tenha o seu quadro piorado e precise de atendimento em UTI, poderá ser encaminhado ao Hospital de Clínicas, na capital gaúcha”, ressalta o governo do Estado. “São 14 homens e três mulheres, com idades entre 33 e 70 anos”.

Quanto aos pacientes de Rondônia, eles chegaram desde o último dia 27, oriundos da capital Porto Velho, sendo atendidos em Porto Alegre – Hospitais Nossa Senhora da Conceição, Vila Nova e Clínicas. De um total de 18, cinco deles já receberam alta e voltaram para casa.

A secretária da Saúde, Arita Bergmann, agradeceu a todos os envolvidos no processo de acolhimento aos pacientes de Manaus: “O Rio Grande do Sul é solidário”.

Capacidade

O Departamento de Regulação Estadual, Eduardo Elsade, assegura que a chegada desses pacientes não compromete o atendimento aos gaúchos:

“Estamos em um cenário um pouco mais favorável, comparado a outros Estados. Os pacientes de Rondônia e Manaus não impactam em absoluto a ocupação dos hospitais gaúchos, temos muitos leitos clínicos disponíveis”.

A garantia é corroborada por informações do site oficial do governo gaúcho: “O Rio Grande do Sul conta com mais de 5 mil leitos clínicos para pacientes com menor gravidade, sendo que a taxa de ocupação está em torno de 22%”.

“A disponibilidade de leitos permitiu ao governo, com a colaboração de hospitais públicos e privados e prefeituras, receber pacientes de Rondônia e Manaus, locais que apresentam colapso no sistema de saúde pública”, acrescenta o Palácio Piratini.

Ainda de acordo com o Executivo estadual, a chegada dos pacientes de fora também não impacta no cálculo das bandeiras do modelo de Distanciamento Controlado nas regiões de Porto Alegre, Canoas e Santa Maria”.

(Marcello Campos)