O Rio Grande do Sul é o Estado que mais vacinou a população contra o coronavírus até o momento

O Rio Grande do Sul é o Estado brasileiro que, proporcionalmente, mais vacinou sua população contra a covid-19 até agora. Conforme levantamento divulgado na noite desta sexta-feira (9) pelo consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, 1.609.647 gaúchos receberam a primeira dose, o que equivale a 14,09% da população. A segunda dose foi recebida por 358.678 pessoas, ou 3,14% da população.

Na contagem nacional, o consórcio aponta que um há um total de 22.686.106 pessoas que receberam a primeira dose, o que representa 10,71% da população brasileira. Destas, 6.843.168 receberam a segunda dose, ou seja, 3,23% dos brasileiros.

“Estar em primeiro lugar como o Estado que mais vacinou é motivo de muita comemoração, porque significa que é uma vitória do coletivo. É uma vitória desde a equipe que vai ao aeroporto buscar as vacinas até aquela pessoa que registra a aplicação da dose no sistema. Mas é, acima de tudo, uma vitória da população, porque estar imunizado é, sem dúvida nenhuma, uma oportunidade de proteção da vida”, destacou a secretária da Saúde, Arita Bergmann.

O mapa da vacinação do governo gaúcho, atualizado em tempo real com dados abastecidos pelos próprios municípios, mostra ainda que o Rio Grande do Sul recebeu até agora 3.163.150 de doses das quais 3.029.999 foram distribuídas às prefeituras. As poucas doses que não foram encaminhadas (cerca de 133 mil) servem como reserva técnica para casos de avarias ou perdas. Do total distribuído, pelo menos 65% já foi aplicado.

De acordo com Arita, a Secretaria da Saúde não retém ou estoca vacinas e segue à risca as orientações do Plano Nacional de Imunizações quanto à destinação de cada remessa. Na última quinta-feira (8), o Rio Grande do Sul recebeu um novo lote com 301.555 de vacinas, sendo 141.800 doses da CoronaVac (Instituto Butantan), que serão todas destinadas a atender a segunda dose de idosos já imunizados com a mesma marca, em lotes anteriores, e 159.750 da Oxford/AstraZeneca, que servirá para iniciar a aplicação da primeira dose de pessoas de 64 anos e, parcialmente, a faixa de 63 anos. Outra parte da remessa será usada para a continuidade da aplicação da primeira dose do grupo das Forças de Segurança e Salvamento e das Forças Armadas.

“Conclamamos a todos que continuem procurando as suas unidades de referência para receber a primeira e a segunda doses, seguindo as orientações repassadas pelos profissionais da sua cidade. Ao mesmo tempo, continuo conclamando que os gestores municipais sigam mobilizados para que continuemos fazendo a vacinação no mesmo ritmo. É como eu sempre digo, vacina boa é vacina no braço”, concluiu a secretária da Saúde.