O Rio Grande do Sul deve receber nesta quinta-feira mais de 360 mil novas doses de vacinas contra o coronavírus

Um novo lote com quase 361 mil doses de vacinas contra o coronavírus deve desembarcar deve chegar ao Rio Grande do Sul nesta quinta-feira (28), com 353,7 mil unidades do imunizante de Oxford-Fiocruz e 7,2 mil da Coronavac-Butantan. A remessa do Ministério da Saúde tem desembarque previsto em torno das 10h no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde (SES), ainda faltam aproximadamente 40,5 mil doses da Coronavac para concluir o esquema vacinal de idosos que receberam doses da remessa distribuída no dia 20 de março. Também são necessárias mais 223,4 mil doses do imunizante chinês para a segunda aplicação dos contemplados pelo lote do dia 26 de março.

Comorbidades

O Ministério da Saúde publicou nota técnica com as diretrizes da vacinação da covid para o grupo das comorbidades, o próximo a ser contemplado pelo Plano Nacional de Imunizações (PNI). O público-alvo são pessoas com doença ou agravo prévio que a torna mais vulnerável a complicações do coronavírus.

No Rio Grande do Sul, há cerca de 1 milhão de pessoas no grupo das comorbidades. Como a vacinação ocorre em etapas, dependendo das remessas enviadas pelo Ministério da Saúde aos Estados, a priorização da vacinação ocorrerá, em todo o país, da seguinte forma:

Na fase 1, serão vacinados os seguintes segmentos:

– pessoas com síndrome de down maiores de 18 anos;
– pessoas com doenças renais que fazem tratamento por diálise maiores de 18 anos;
– gestante e puérperas (passaram há menos de 45 dias pelo parto) e têm alguma comorbidade, maiores de 18 anos;
– pessoas com 55 a 59 anos com comorbidades;
– pessoas com deficiência permanente cadastradas no programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC) de 55 a 59 anos.

Na fase 1, serão vacinados os seguintes segmentos:

– demais pessoas com comorbidades;
– pessoas com deficiência permanente cadastradas no BPC;
– gestantes e puérperas independentemente de condições pré-existentes e divididas por idade, assim como ocorre no grupo dos idosos.

Após completar a faixa das pessoas de 55 a 59 anos, começa a aplicação nas pessoas com 50 a 54 anos, depois 45 a 49 anos e assim por diante, até os 18 anos.

De acordo com a secretária da Saúde, Arita Bergmann, municípios que já concluíram a vacinação dos idosos e que já realizaram busca ativa por faltantes poderão avançar a campanha e iniciar a vacinação das pessoas com comorbidade da fase 1.

A diretora do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde, Ana Costa, ressalta que “certamente não receberemos doses suficientes para vacinar todas as pessoas da fase 1 de uma vez, então, mesmo dentro da priorização elencada pelo Ministério, a vacinação ocorre conforme a chegada das vacinas ao Estado. Em maio, esperamos iniciar essa etapa em todo o território gaúcho”.

De modo geral, a maioria dos municípios estão na fase de vacinar idosos com 61 anos ou mais, dependendo do ritmo da campanha em cada lugar. Para comprovar a doença, a pessoa deverá levar ao posto de saúde um documento médico (exames, receitas, relatório médico, prescrição médica etc).

(Marcello Campos)