Mais de 770 mil gaúchos já receberam teste positivos de coronavírus. Óbitos pela doença totalizam 16.117 no Estado

O mais recente balanço epidemiológico da Secretaria Saúde acrescentou, no final da tarde desta quinta-feira (18), 7.665 testes positivos e 298 mortes por coronavírus no Rio Grande do Sul. Com isso, o Estado acumula exatos 771 mil casos de contágio desde o início da pandemia, com 16.117 desfechos fatais.

A título de esclarecimento, cabe ressaltar que os falecimentos informados em cada boletim ocorreram, em sua maioria, ao longo dos dez dias anteriores à divulgação da estatística, sendo progressivamente adicionados ao sistema estadual. Isso acontece porque os dados vão sendo enviados pelos hospitais e prefeituras ao sistema estadual com diferentes graus de agilidade, resultando no chamado “represamento”.

Nos últimos sete dias, são 1.756 óbitos causados pela doença nos mais variados municípios gaúchos, o que representa uma média móvel de 250 perdas humanas a cada 24 horas. Caso esse ritmo se mantenha, os falecimentos devem passar de 20 mil mortes no Rio Grande do Sul até o começo do mês que vem.

O contingente de recuperados, por sua vez, é de 719.523 indivíduos (93%). Já os casos atuais sob acompanhamento pelas autoridades somam 35.294, incluindo desde os assintomáticos em quarentena domiciliar até os pacientes em situação grave, internados em leitos de terapia intensiva.

Os idosos ainda predominam entre os mortos pela Covid. A faixa etária das vítimas, no entanto, tem se mostrado cada vez mais abrangente. No relatório desta quinta-feira (disponível para consulta na conta da twitter/SES, as duas mais jovens sucumbiram à doença com 26 e 31 anos, ao passo que as duas mais idosas tinham 98 e 99 anos.

Kit entubação

Uma nova remessa com mais de 27 frascos de medicamentos do chamado “kit intubação”, adquiridos pelo governo gaúcho, começaram a ser entregues nesta quinta-feira para 30 hospitais gaúchos que relatavam possível desabastecimento dos insumos atracúrio, etomidato e morfina. O conjunto é utilizado para permitir a inserção dos dispositivos de respiração mecânica de pacientes nas unidades de terapia intensiva (UTI).

A remessa foi integralmente adquirida pela Secretaria da Saúde com recursos do Tesouro do Estado, por meio de ata de registro de preço do Ministério da Saúde. Para a distribuição dos medicamentos, mais uma vez houve o auxílio do Exército, por meio do Comando Militar do Sul (CMS).

“A necessidade reflete o cenário nacional de alta demanda por anestésicos e bloqueadores neuromusculares”, ressaltou o Palácio Piratini. “Nesta semana, já foram entregues outros 35 mil medicamentos para essa finalidade.”

A Secretaria realiza um levantamento semanal, junto com os próprios hospitais, sobre a disponibilidade de 22 itens do kit. Na rede pública, já foi registrada escassez em julho do ano passado, o que exigiu a aquilão de medicamentos no mercado nacional e internacional.

(Marcello Campos)