Lote de vacinas para zerar atraso na aplicação da segunda dose da Coronavac é distribuído no Rio Grande do Sul

Está previsto para esta quarta-feira (19) o início da distribuição das mais de 251 mil unidades de vacina que serão utilizadas pela Secretaria Estadual da Saúde (SES) para colocar em dia a imunização de cidadãos gaúchos que estão em atraso no recebimento da segunda dose da Coronavac-Butantan. O lote é composto por ampolas enviadas ao Rio Grande do Sul na semana passada e nesta terça.

As Coordenadorias Regionais de Saúde (CRSs) de número 1 (Porto Alegre), 8 (Cachoeira do Sul), 13 (Santa Cruz do Sul), 16 (Lajeado) e 18 (Osório) poderão retirar as doses por via terrestre já durante a manhã. O mesmo vale para a Secretaria Municipal da Saúde de Porto Alegre.

Os municípios próximos à capital gaúcha também têm a opção de fazer a retirada dos fármacos diretamente na Central Estadual de Distribuição e Armazenamento de Imunobiológicos (Ceadi). É o caso de Alvorada, Canoas, Esteio, Gravataí, Montenegro, Novo Hamburgo, São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Taquara e Viamão.

Por via aérea, serão entregues as cargas das demais coordenadorias, com auxílio de avião e helicópteros da Brigada Militar e da Polícia Civil. Estão previstos pousos em Caxias do Sul, Santa Maria, Erechim, Palmeira das Missões, Santo Ângelo, Bagé e Pelotas.

“Somando as duas remessas, vamos encaminhar quantitativo suficiente para que todos os que tomaram a primeira dose com Coronavac possam completar o esquema vacinal, o que é fundamental para a eficácia do imunizante”, explica Tani Ranieri, chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs).

Oxford-Fiocruz

No mesmo voo com a carga de Coronavac, chegaram ao Rio Grande do Sul mais 269,1 mil doses da vacina de Oxford-Fiocruz, que serão reservadas para aplicação em segunda dose, por recomendação do Ministério da Saúde. As ampolas ficarão armazenadas na Ceadi até o repasse das cotas aos municípios.

No caso da Oxford, não há registro de atraso na aplicação da segunda dose, aplicada em três meses após a primeira (intervalo maior que os recomendado para Coronavac ou Pfizer, que é gira em torno de 21 a 28 dias).

Isso porque a Secretaria Estadual da Saúde já distribuiu lotes suficientes para completar o esquema vacinal de todos os que receberam a primeira injeção do fármaco britânico. “Além disso, o estoque no Rio Grande do Sul está garantido ao menos para aplicação da segunda injeção a todos os que precisam completar o esquema vacinal de Oxford até a metade de julho.

Pfizer

Já no que se refere à vacina da farmacêutica norte-americana Pfizer, o lote de 39,7 mil doses desembarcado no Aeroporto de Porto Alegre na noite desta terça-feira e as outras 69 mil em estoque na Ceadi devem ser enviados para o Interior gaúcho nas próximas semanas.

“Começamos a planejar a distribuição da Pfizer para todos os municípios gaúchos, e isso envolve logística diferenciada e treinamento aos vacinadores”, ressaltou a titular da SES, Arita Bergmann.

As doses da Pfizer serão utilizadas para imunizar pessoas com deficiência, comorbidades na faixa etária de 38 e 39 anos e gestantes e puérperas com comorbidades e/ou gestantes ou puérperas que apresentem indicação médica após avaliação de risco/benefício.

(Marcello Campos)