Incêndio em cadeia de reserva indígena gaúcha mata quatro pessoas detidas por participarem de festa

Na madrugada desta quarta-feira (21), quatro pessoas morreram em incêndio na reserva indígena da Serrinha, no município de Ronda Alta (Norte do Estado). O incidente ocorreu em um galpão que funcionava de forma improvisada como cadeia na comunidade de Alto Recreio, a aproximadamente 60 quilômetros de Passo Fundo.

De acordo com a Polícia Civil, os corpos estavam carbonizados. As vítimas são três homens e uma mulher com idades entre 21 e 25 anos, que haviam sido detidos por líderes locais, após serem flagrados no final da noite de terça-feira em uma festa com outras duas pessoas (que conseguiram fugir), em uma casa onde havia barulho e consumo excessivo de álcool. A “bagunça” foi denunciada ao cacique por outros integrantes da comunidade.

Testemunhas ouvidas até agora pelo delegado e pela imprensa local relataram o início das chamas por volta da 1h na cela, localizada nos fundos de um ginásio. Vizinhos tentaram apagar o incêndio, sem êxito, e as chamas só foram controladas com a intervenção de uma equipe do Corpo de Bombeiros.

As causas do fogo estão sendo investigadas e o laudo do Instituto-Geral de Perícias (IGP) deve ser concluído em 30 dias. Não está descartada a hipótese de incêndio criminoso. A corporação abriu inquérito para apurar as circunstâncias do incidente e deve coletar depoimentos, inclusive dos dois indivíduos que conseguiram escapar da abordagem.

Embora a identificação dos mortos ainda necessite de comprovação oficial por análise de médicos-legistas, a Polícia Civil informou que estavam recolhidos à cadeira improvisada Edilson Kesig Paulo (21 anos), Josué Gabriel Silveira (23), Suzana Mariano (24) e Esmael Batista (25). Eles eram um dos mais de 3 mil indígenas das etnias kaingang e guarani vivem na região, considerada pacífica.

Polícia Civil perde dois integrantes

Também nesta quarta-feira, a Polícia Civil gaúcha publicou em seu site oficial (pc.rs.gov.br) duas notas de pesar por falecimentos de integrantes da corporação. Ambos os óbitos foram registrados em cidades do Interior gaúcho.

Uma das perdas é a do comissário João Otaviano Ribeiro, 53 anos, vítima de infarto. Ele estava lotado da Delegacia de Santo Ângelo (Região das Missões). O sepultamento foi realizado à tarde.

Já em Alegrete (Sudoeste gaúcho), morreu a escrivã Marla Gislaine e Silva Dutra, 48 anos. Lotada na Delegacia de São Borja, ela estava internada na Santa Casa de Alegrete, por causa de infecção por coronavírus, e sofreu uma parada cardíaca. A policial deixou marido e dois filhos.

Em ambos os casos, a chefe de Polícia, delegada Nadine Tagliari Farias Anflor, escreveu mensagem solidarizando-se com familiares, colegas e amigos.

(Marcello Campos)