Hackers que aplicavam golpes em vários Estados são presos em Canoas

A Polícia Civil, por meio da 1ª Delegacia de Polícia de Canoas, com apoio da equipe da 4ª DP/Canoas, após um mês de investigação executou operação contra um grupo de golpistas na internet. Três indivíduos foram presos em Canoas neste sábado (27), em flagrante delito por crime de receptação, entre eles o líder da quadrilha.

Na ação, foram cumpridos dois mandados de busca. A polícia apreendeu calçados comprados na internet via golpes. Os agentes encontraram ainda duas centrais com computadores profissionais. Os itens foram apreendidos, além de dinheiro, ouro, relógios de luxo e celulares.

Os hacker atuavam em diversos Estados, partindo sempre de Canoas. Aplicavam golpes em vítimas de outras cidades gaúchas, de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Bahia, entre outros.

Como funcionam os golpes

De acordo com a polícia, os golpes são aplicados virtualmente, quando grupos de criminosos negociam CPF’s sem restrições de crédito para abertura de contas e movimentações fraudulentas.

Em uma das modalidades, os golpistas conseguiam os dados pessoais de uma vítima, faziam um empréstimo no nome dessa pessoa sem ela saber e redirecionavam o dinheiro para contas de possíveis “laranjas”. Depois, quando não há pagamento do empréstimo, a financeira cobra da vítima. No caso, não há possibilidade de recuperação do valor, sendo a financeira e a pessoa vítimas.

“QG” num apartamento classe A

Segundo o delegado Rafael Pereira, o grupo criminoso montou seu “QG” num apartamento classe A no centro de Canoas, ostentando vida de luxo e identificando-se para os vizinhos como investidores do mercado de capitais e empresários. O próprio líder da quadrilha afirmou viver de golpes há dez anos. “As investigações continuam para identificar outros integrantes”, disse Pereira.

Segundo o diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana de Canoas, delegado Mario Souza, a ação contra estelionatos e golpes via internet são muito relevantes, uma vez que esses crimes fraudam e prejudicam inúmeras vítimas que sequer entendem como agem os golpistas, percebendo apenas pelos saques e transferência de valores de suas contas. “Na pandemia, os golpes na internet aumentaram e a população deve ficar atenta, não fornecendo senhas por telefone ou aplicativo de mensagem para ninguém, não ligando de volta para nenhum número que tenha lhe ligado para pedir alguma confirmação”, alerta Souza.