Exploração sexual de crianças e adolescentes é alvo de operação em nove cidades gaúchas

Uma força-tarefa da Brigada Militar (BM), Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar (CBMRS) e Polícia Rodoviária Federal (PRF), com apoio da Justiça e do Ministério Público (MP), deflagrou nesta quinta-feira (27) uma operação contra a exploração sexual de crianças e adolescentes. A ofensiva abrangeu nove cidades gaúchas.

Além de Porto Alegre, onde foram mobilizados 77 agentes e 31 viaturas, foram percorridos endereços em Marau, Passo Fundo, Candelária, Caxias do Sul, Garibaldi, Tapes, Sertão Santana e Eldorado do Sul. O objetivo foi a fiscalização preventiva e repressiva da prática desse tipo de crime em áreas urbanas e às margens de rodovias.

Diversos alvos da força-tarefa foram apontados a partir de denúncias encaminhadas pelo Disque-Denúncia 181 e no site da Secretaria da Segurança Pública (SSP-RS).

A ofensiva dá continuidade à intensificação de apurações e cumprimento de medidas judiciais promovida desde março deste ano pelas forças de Segurança do Rio Grande do Sul.

Estatística

Dados do departamento apontam um aumento exponencial nos informes de suspeitas sobre abusos sexuais contra crianças e adolescentes. Entre 2018 e maio deste ano, a SSP recebeu 85 denúncias desse tipo de crime, sendo 34 a partir de janeiro, o que representa 40% do total no período.

Conforme o Observatório Estadual da Segurança Pública, o volume de ocorrências de abusos contra menores de idade no Rio Grande do Sul, considerando-se os registros de “exploração sexual infanto-juvenil”, “estupro” e “estupro de vulnerável”, caiu 13% em 2020 na comparação com o ano anterior (3.291 para 2.848 casos, nível ainda elevado para esse tipo de crime).

Na comparação entre janeiro e abril deste ano com o mesmo período de 2020, os números também apontam redução (9%): foram 904 ocorrências, contra 993 anteriormente, ou seja.

No cenário nacional, os dados sobre tema ainda são alarmantes. O Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020, com compilação de dados do ano anterior, registra a ocorrência de 66.123 estupro no País – o que equivale a um caso a cada oito minutos. O levantamento também apontou que 70,5% dos casos são de estupros de vulnerável, ou seja, crimes que envolvem vítimas menores de 14 anos de idade ou pessoas que não possam oferecer resistência ao ato.

O documento, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública com dados coletados junto aos Estados, destaca ainda que em 84,1% dos casos o autor era conhecido da vítima. Isso sugere um grave contexto de violência intrafamiliar, no qual crianças e adolescentes são vitimados por parentes ou pessoas de confiança da família, muitas vezes agressores com quem elas tinham algum vínculo afetivo.

Onde denunciar

– Disque-Denúncia 181;
– Denúncia Digital 181 (Site da SSP): ssp.rs.gov.br;
– WhatsApp da Polícia Civil: (51) 98444-0606;
– Disque 100 (Governo Federal);
– Em casos de urgência, que demandem intervenção imediata, o número é o 190 da Brigada Militar.

(Marcello Campos)