Coleção farroupilha chega ao museu de Piratini nesta segunda

O conjunto de quase mil peças, que resgata fragmentos históricos da Revolução Farroupilha (1835-1845), viajará nesta segunda-feira (19) até o município de Piratini, onde fica o Museu Histórico Farroupilha (MHF).

O veículo que transportará o acervo sairá às 9h do Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff), em Porto Alegre, onde está localizada a Secretaria da Cultura (Sedac), para percorrer os quase 350 quilômetros de estrada.

Reunido por Volnir Júnior dos Santos, conhecido nas redes sociais como TcheVoni, gaúcho residente em Natal, capital do Rio Grande do Norte, o acervo é fruto de mais de 20 anos de colecionismo e do amor de seu criador pela história do Rio Grande do Sul.

O resultado é uma rica coleção de livros e objetos históricos como espadas, balas de canhão, documentos, moedas e itens comemorativos do período Farroupilha. Em 2019, Volnir procurou o MHF para manifestar o desejo de doar as peças à instituição.

Em outubro daquele ano, a secretária da Cultura, Beatriz Araujo, e a diretora do museu, Francieli Domingues, viajaram a Natal para tornar esse desejo uma realidade.

A coleção está acondicionada em 30 caixas, que serão transportadas com acompanhamento de uma escolta da Brigada Militar.

Caminho percorrido

O acervo está em posse da Sedac desde dezembro de 2019, quando foi transportado de Natal para o Rio Grande do Sul. A operação contou com a intermediação do atual secretário de Turismo, Ronaldo Santini, à época exercendo mandato de deputado federal. Foi ele que viabilizou o transporte aéreo e terrestre com a Força Aérea Brasileira (FAB) e o Exército Brasileiro, respectivamente.

Na capital gaúcha, as peças foram recebidas por técnicos do Departamento de Memória e Patrimônio da Sedac, que trabalharam na catalogação. “Abrimos todas as caixas, verificamos o conteúdo, numeramos e criamos fichas de cadastro com fotos para cada uma das peças. Depois, fizemos o devido acondicionamento para o novo transporte”, explica o assessor especial de Memória e Patrimônio da Secretaria da Cultura, Eduardo Hahn.

A secretária da Cultura classifica como fantástica a experiência de lidar com um acervo tão rico. “Foi ótimo ter acesso a todas essas peças que foram parte da nossa história. Temos certeza que o acervo está no lugar certo, e o Museu Farroupilha vai poder contar, com detalhes e profundidade, a história da Revolução Farroupilha”, analisa Beatriz Araujo.

Melhorias no museu

Enquanto o processo de catalogação acontecia, o Museu Histórico Farroupilha cuidava da qualificação de sua estrutura para receber a coleção. As melhorias contemplaram o mobiliário, a parte elétrica, o sistema de iluminação e a reserva técnica do museu, que agora conta com mais duas salas para acondicionar o acervo.

As medidas foram executadas com recursos de emenda parlamentar do deputado estadual Luiz Henrique Viana, atual secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, e do Fundo de Reconstituição de Bens Lesados, do Ministério Público Estadual (MPE).

“A chegada da coleção permitirá que a direção e a equipe técnica aprofundem a pesquisa histórica das peças, bem como a construção da nova exposição, que está prevista para inaugurar em setembro”, anuncia a diretora do Museu Histórico Farroupilha, Francieli Domingues.

Ela também comenta sobre a importância de contar com a coleção no museu: “A grandeza histórica e cultural deste acervo e o gesto de TcheVoni compõem um novo capítulo da história gaúcha. É parte da República Rio-grandense voltando para a capital Piratini. O nosso sentimento de emoção e gratidão é incontestável”.