Autoridades encerram festa clandestina em Canoas

Ao menos sete pessoas foram detidas em uma festa clandestina interrompida na madrugada deste domingo (21) em Canoas (Região Metropolitana de Porto Alegre) pela Brigada Militar, Polícia Civil e Guarda Municipal. Realizado em um terreno no bairro Fátima, o evento tinha a sua organização monitorada pelas autoridades desde a semana passada.

De acordo com o diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana, delegado Mario Souza, havia uma estimativa de que ao menos 60 pessoas participariam da festa. Entretanto, nem todas estavam no local no momento do flagrante – os fiscais e demais agentes prepararam “dar o bote” no início da madrugada, a fim de evitar o aumento do número de envolvidos.

Além da realização da festa por si só já contrariar decretos estaduais e municipais de combate ao coronavírus, o que é crime, havia menores de idade na aglomeração, registrada na avenida Irineu de Carvalho Braga. E o equipamento utilizado para a sonorização estava ligado a uma rede elétrica irregular.

Os sete detidos foram encaminhados a uma delegacia local para a assinatura de termo sobre infração de medida sanitária preventiva e perturbação do sossego alheio. Desse grupo, dois atuaram como organizadores do evento. A Polícia Civil investigará outros aspectos do incidente, incluindo o envolvimento de outras pessoas.

Balanço do fim de semana

Nos últimos dias, Canoas tem sido alvo de uma série de operações integradas entre as forças de segurança pública, a fim de fiscalizar e garantir o cumprimento dos protocolos sanitários relativos à bandeira preta (altíssimo risco epidemiológico) no sistema de distanciamento controlado.

Entre sexta-feira e sábado (20) foram visitados 13 endereços, com cinco notificações e quatro procedimentos de orientação. Ao todo, foram abordadas 21 pessoas, oito veículos de passeio e quatro motocicletas, incluindo quatro recolhimentos e nove autos de infração.

São duas ofensivas: a “Operação Sossego” e a “Operação Integrada d Fiscalização”. Em ambas, a força-tarefa também conta com a participação de agentes da Diretoria de Trânsito, Defesa Civil e secretarias municipais (Desenvolvimento Econômico, Turismo e Inovação, Vigilância Sanitária e Meio Ambiente).

Desde o final de fevereiro, a Guarda Municipal de Canoas passou a exercer o poder de polícia, principalmente para fiscalizar e lavrar autos de infração a estabelecimentos que não estejam seguindo os protocolos sanitários de prevenção à Covid.

De acordo com balanço da Secretaria Municipal de Segurança Pública, Canoas ultrapassou a marca de 500 locais fiscalizados desde o dia 20 de fevereiro, com o início dos protocolos da bandeira preta.

Denúncias podem ser encaminhadas por meio do WhatsApp (51) 9930-14-751 (apenas mensagens de texto ou imagem) ou pelos telefones 153 (Centro Integrado de Comando e Controle), 190 (Brigada Militar) e 197 (Polícia Civil).

(Marcello Campos)