Aumentam os registros de vandalismo contra vidraças na Região Metropolitana. Em Porto Alegre, alvos incluem novos relógios de rua

Até a noite desta quinta-feira (15), a Polícia Civil gaúcha contabilizava ao menos 55 casos de ataques contra vidraças de estabelecimentos comerciais e bancários em Porto Alegre, Gravataí e Viamão (Região Metropolitana). O vandalismo, cuja autoria ainda não foi identificada, começou na noite anterior e também teve como alvo quatro unidades dos novos relógios de rua da capital gaúcha.

Conforme o Departamento de Polícia Metropolitana, o número de incidentes que chegou ao conhecimento das autoridades aumentou à medida em que mais proprietários de lojas procuraram delegacias para fazer as ocorrências. A tendência, inclusive, é de que a quantidade de registros aumente.

Também foram atingidos – com pedras e munição de chumbo utilizada em armas de pressão – uma academia, uma instituição de ensino, uma parada de ônibus e um edifício residencial. Para a corporação, identificar os responsáveis e sua motivação é fundamental não apenas para esclarecer o caso e permitir que sejam punidos, mas também como forma de evitar a continuidade da depredação.

Roteiro de destruição

Em Porto Alegre, os ataques tiveram como alvo diversos locais nas Zonas Norte e Leste, em avenidas de grande movimento de veículos, como Assis Brasil, Carlos Gomes, Bento Gonçalves e Terceira Perimetral. Já em Gravataí, 14 lojas e revendas de veículos foram danificadas na rodovia ERS-040, dentre outros.

Imagens registradas por câmeras de segurança estão sendo submetidas a análise. Os investigadores apuram o “modus operandi” dos autores dos ataques, que teriam agido a pé e em um caminhão-baú branco (a presença do veículo coincide com alguns dos incidentes filmados por câmeras de monitoramento).

“O Departamento de Polícia Metropolitana tomou conhecimento dos fatos e está fazendo um levantamento das ocorrências registradas, a fim de realizar uma investigação conjunta com as delegacias de polícia respectivas”, frisou a corporação, acrescentando que:

“A divisão de inteligência do departamento está realizando esse levantamento e auxiliando nas investigações. Caso alguma ocorrência não tenha sido registrada, a Polícia Civil orienta que o registro policial seja realizado, bem como quaisquer informações que a população possa ter sobre tais fatos sejam repassadas à Polícia Civil.”

Relógios de rua

Instalados desde agosto do ano passado, os novos relógios digitais de Porto Alegre tiveram quatro unidades danificadas pela ação dos vândalos. A lista abrange equipamentos nas avenidas Cristóvão Colombo, Salvador França, Serraria e Estrada João Antonio Silveira, que tiveram os painéis destruídos, dificultando a visualização das informações.

A Secretaria de Obras e Infraestrutura (Smoi), responsável pelo contrato de concessão das unidades, acompanhou a verificação dos aparelhos junto a Clear Channel, empresa responsável pela instalação. De acordo com o órgão, os relógios serão removidos nos próximos dias para a realização dos devidos reparos.

“Infelizmente fomos surpreendidos com mais uma ação de vandalismo contra os nossos novos relógios de rua”, lamentou o titular, Pablo Mendes Ribeiro. Ele ressaltou que as imagens da câmeras de segurança acopladas aos relógios, que são enviadas diretamente ao Centro Integrado de Comando (CEIC), serão encaminhadas à Polícia Civil a fim de colaborar com a investigação.

Ao todo, Porto Alegre já conta com 122 novos relógios de rua. Além da marcação de hora e temperatura, os equipamentos contam com sinal de internet sem-fio, medidores de radiação e painel de mensagens, além das já mencionadas câmeras, de alta definição.

(Marcello Campos)