Anunciado o início da vacinação dos trabalhadores da educação no Rio Grande do Sul

O governo do Rio Grande do Sul anunciou nesta sexta-feira (29) a inclusão de todos os profissionais gaúchos da educação no planejamento da distribuição de vacinas contra o coronavírus do próximo lote a ser recebido pelo Estado. A decisão foi tomada após a divulgação de uma nota técnica do Ministério da Saúde com orientações sobre a continuidade da campanha.

A Secretaria da Educação (Seduc) estima em pelo menos 217 mil trabalhadores desse segmento. Destes, aproximadamente 20 mil já começaram a receber a imunização, por iniciativa das prefeituras dos municípios onde moram ou trabalham.

Dentre aqueles que ainda estão aguardando, serão priorizados os profissionais de creches e pré-escolas, de forma concomitante com os outros grupos prioritários da lista, ou seja, pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas com comorbidades, deficientes, pessoas em situação de rua e população privada de liberdade.

O documento do Ministério da Saúde informa que “serão enviados percentuais do total de doses para o seguimento do ordenamento dos grupos pré-definidos e em paralelo serão enviados quantitativos para o início da vacinação dos trabalhadores da educação”.

A nota esclarece ainda que, após a finalização dos grupos de comorbidades, pessoas em situação de rua, funcionários e pessoas do sistema penal e trabalhadores de educação, a lista de prioridades deve continuar sendo seguida, com o acréscimo, de forma concomitante, da vacinação por idade da população em geral (59 a 18 anos).

O governador Eduardo Leite destacou que o Estado vinha há muitas semanas buscando, junto ao governo federal e até na Justiça, incluir com prioridade os profissionais envolvidos nas atividades de ensino no cronograma de imunização.

“Queremos escolas abertas, funcionando, com protocolos e todos os cuidados necessários, para cuidar das crianças enquanto os pais estão trabalhando, para dar a essas crianças e jovens os estímulos fundamentais para que se desenvolvam em seu pleno potencial. E queremos fazer isso com cuidado com as crianças, com cuidado de professores e trabalhadores da educação, que são patrimônio importante para nosso Estado”, afirmou Leite.

“O Rio Grande do Sul é sempre um dos Estados que mais vacina no Brasil. Temos ficado sempre no topo do ranking, às vezes oscilando posições, mas nunca deixou de estar entre os três Estados que mais vacinam, tanto na primeira quanto na segunda dose. Nosso compromisso é, o mais rápido possível, ter os trabalhadores da educação imunizados, acreditamos que já nas primeiras semanas de junho, para que possamos ter a tranquilidade e o ensino funcionando para todos aqui no Rio Grande”, projetou o governador.

“Assim que conseguirmos contemplar todos esses grupos prioritários no Estado, especialmente os profissionais envolvidos na educação, o que nos possibilitará um retorno mais seguro das aulas presenciais, iremos avançando por idade para a população em geral. Estamos na expectativa de um novo lote de doses nas próximas semanas, que nos permita seguir na imunização de forma mais rápida”, acrescentou a secretária da Saúde, Arita Bergmann.

Porto Alegre

Em uma live realizada na manhã desta sexta-feira (28), o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, anunciou que a prefeitura vacinará contra o coronavírus os professores da rede pública municipal e conveniada. A imunização começará pela educação infantil, na semana que vem, provavelmente já na terça-feira (1º). O calendário ainda não foi definido.

Os demais grupos prioritários que fazem parte do Plano Nacional de Imunização continuarão sendo vacinados normalmente, conforme a prefeitura. Em seguida, conforme a chegada de mais vacinas, a campanha será estendida aos profissionais das redes estadual e particular.

Segundo a secretária municipal de Educação, Janaina Audino, a expectativa é vacinar 5,6 mil profissionais das escolas próprias na terça-feira (1º). Na quarta-feira (2), está prevista a imunização dos 3,4 mil profissionais das conveniadas.

“Em 20 dias deverão ser imunizados todos os funcionários”, estima. “Após a educação infantil, serão aplicadas doses nos funcionários do 1º e 2º anos do ensino fundamental.”

Conforme o secretário extraordinário de Enfrentamento ao Coronavírus, Cesar Sulzbach, o início da vacinação dos professores é possível devido a uma mudança no Plano Nacional de Vacinação. “Vamos agregar novos grupos conforme chegarem mais doses”, completa.

(Marcello Campos)