A pandemia de coronavírus já matou 16.507 pessoas no Rio Grande do Sul. Testes positivos passam de 780 mil

Publicado nesta sexta-feira (19), o mais recente balanço epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde acrescentou, 9.381 testes positivos e 390 mortes por coronavírus no Rio Grande do Sul. Com isso, são 780.186 gaúchos infectados desde o início da pandemia (em março do ano passado), dos quais 16.507 acabaram falecendo por causa da doença.

Os óbitos por Covid registrados nos últimos sete boletins somam 1.955 casos fatais. Isso representa uma média móvel de 279 perdas humanas a cada dia.

O contingente de recuperados, por sua vez, é de 727.744 (93%). Já os casos atuais sob acompanhamento pelas autoridades somam 35.868, incluindo desde os assintomáticos em quarentena domiciliar até os pacientes em situação grave, internados em leitos de terapia intensiva.

A nova lista mostra que os idosos ainda predominam entre os falecimentos por Covid no Estado, embora o contingente etário seja amplo. Nos dois extremos estão mulheres: a mais jovem é uma moradora de Canoas (Região Metropolitana) que tinha 21 anos, ao passo que a mais velha é uma uma anciã de 102 anos, residente em Porto Alegre.

Mais leitos

O governo gaúcho inaugurou oito novos leitos de UTI no Hospital Regional de Santa Maria, na região Central do Estado, nesta sexta-feira (19). Devido às restrições impostas pela pandemia de coronavírus, o ato de abertura foi realizado de modo virtual e transmitido pelas redes sociais do governo. O hospital já está recebendo pacientes para internação nesses novos leitos.

“Estamos entregando mais oito leitos de UTI para dar um suporte à Região Central”, frisou o governador Eduardo Leite. “Desde o começo da pandemia, abrimos mais de 1.370 leitos e hoje contamos com mais de 2 mil. Essa ampliação também envolve camas, respiradores, monitores cardíacos e, principalmente, recursos humanos de profissionais muito dedicados.”

Inaugurado em julho de 2018, com investimento de R$ 48 milhões (R$ 30 milhões do governo estadual, R$ 17 milhões do governo federal e o restante em doações da iniciativa privada), o hospital atendia pacientes apenas nos ambulatórios de doenças crônicas e de cardiologia. Um ano depois, em julho de 2019, foi inaugurado o ambulatório de cardiologia.

Foi somente a partir de abril de 2020 que o HRSM passou a fazer internações, uma demanda antiga da comunidade local. Os leitos eram exclusivos para o atendimento da demanda de pacientes com Covid. Na época, a inauguração de dez novos leitos de UTI e 30 de internação clínica contou com a presença do governador da secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann.

(Marcello Campos)