A pandemia de coronavírus já infectou mais de 793 mil gaúchos. Casos fatais da doença no Estado passam de 17 mil

Divulgado nesta segunda-feira (22), o mais recente boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (SES) acrescentou 2.119 testes positivos de coronavírus e 289 mortes à estatística da doença no Rio Grande do Sul. Com isso, o total acumulado de casos gaúchos desde o começo da pandemia subiu para 793.008, dos quais 17.157 resultaram em óbito.

Já o número de recuperados da doença no Estado 745.589 (94%), ao passo que os infectados atualmente com situação monitorada pelas autoridades totalizam 30.194, contingente que abrange deste os assintomáticos em quarentena domiciliar até os pacientes em estado grave internados em hospitais.

Vale frisar que os óbitos não ocorreram em 24 horas, mas ao longo dos últimos dez dias, sendo acrescentados à estatística oficial com maior ou menor grau de agilidade. Para se ter uma ideia mais exata da situação, é possível calcular a média diária de perdas humanas em uma semana: 293.

A lista do governo gaúcho com os falecimentos mais recentes, em um perfil resumido com citação da cidade de residência (e não onde ocorreu o óbito), gênero (feminino ou masculino) e idade, pode ser conferida na conta da SES no Twitter.

Em seus extremos etários, há uma jovem de 21 anos que residia em São Borja (Fronteira-Oeste) e um ancião de 97 anos que morava em Boa Vista do Cadeado (Região Noroeste). O predomínio de idosos entre as perdas humanas, no entanto, permanece desde o começo da pandemia, em março do ano passado.

HIV e tuberculose

A Assembleia Legislativa realiza nesta quarta-feira (24) uma audiência pública sobre o impacto da pandemia de coronavírus sobre os serviços de HIV/Aids e Tuberculose no Estado. A iniciativa é da deputada estadual Luciana Genro (Psol), a pedido dos movimentos sociais que atuam na pauta, e pode ser acompanhada no site al.rs.gov.br.

Ela coordena a Frente Parlamentar de Enfrentamento ao HIV/Aids, Hepatites Virais, Sífilis e Outras ISTs (sigla que indica infecção sexualmente transmissível), idealizada pelo Fórum de ONGs Aids do Rio Grande do Sul e pelo Gapa (Grupo de Apoio e Prevenção à Aids).

A sessão está marcada para as 10h na Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do Parlamento e contará com a participação de representantes do Comitê Estadual de Enfrentamento da Tuberculose, de representante da Secretaria Estadual de Saúde e da médica Nêmora Barcelos, professora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Unisinos. Além disso, diversos movimentos sociais estão inscritos para participar da reunião.

A data de 24 de março marca o Dia Mundial de Combate à Tuberculose. “Embora não seja uma IST, a doença está diretamente relacionada às dinâmicas da epidemia de HIV/Aids no Estado, sendo a principal causa de óbito entre o gaúchos com Aids”, ressalta Luciana Genro.

(Marcello Campos)