Preocupação com inflação leva Aneel a segurar possível novo reajuste da bandeira vermelha

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu não fazer novo reajuste na bandeira vermelha da conta de luz para atender o governo – que está preocupado com o impacto da alta nas tarifas na inflação.
Um novo aumento na bandeira, que já sofreu um reajuste de 52% no patamar 2 a partir de julho, era dado como certo e até necessário por especialistas na área energética, frente à crise hídrica.
A falta de chuvas leva à utilização maior de usinas térmicas para compensar o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas.
Segundo fontes ouvidas pelo blog, dirigentes da Aneel ouviram apelos do governo para aguardar o mês de agosto antes de decidir por uma segunda alta na tarifa em tão curto intervalo de tempo.
Para julho, o patamar 2 da bandeira vermelha já havia sido reajustado de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kwh consumidos. O impacto no preço da energia e no bolso dos consumidores foi direto e representou um aumento de mais de 5% de aumento na tarifa final da conta de luz.
Para especialistas, o valor do patamar 2 da bandeira vermelha precisaria ir para pelo menos R$ 11 por 100 kwh, porque o custo das distribuidoras aumentou muito.
A preocupação com a escalada da inflação é generalizada no governo e vai das áreas econômicas às políticas. A conta de luz tem papel central nesse cenário, porque afeta a população de mais baixa renda e pode respingar na popularidade do governo – que já está em queda.
Veja como a crise hídrica está afetando a produção de alimentos
Brasil passa por pior crise hídrica dos últimos 91 anos
Renovação
Há um elemento adicional na situação vivida pela direção da Aneel e que, segundo especialistas, sensibiliza ainda mais os diretores da agência. Em 2022, quatro dos cinco executivos nesses cargos chegam ao fim de seus mandatos.
A renovação inclui o cargo de diretor-presidente da Aneel, e não é permitida a recondução. O governo Bolsonaro deve indicar os sucessores antes das eleições de outubro do próximo ano, em um cenário ainda de instabilidade hídrica.
De acordo com as previsões meteorológicas, as chuvas do final deste ano podem não ser suficientes para normalizar a produção de energia nas hidrelétricas, exigindo a sequência de acionamento das térmicas também em 2022.
Veja abaixo reportagem sobre a elevação do custo das bandeiras tarifárias no início deste mês:
Conta de luz: Aneel reajusta valor da bandeira tarifária vermelha 2 em 52%