Por que tomar vinho acompanhado com água?

Marco Antonio Carbonari, dono da vinícola Villa Santa Maria, explica que em uma degustação é muito comum ter uma taça de vinho e outra de água. Enólogos sabem que água é o acompanhamento perfeito para a bebida viva, pois, biologicamente falando, o vinho é altamente diurético, isso quer dizer que ele tende a contribuir com a eliminação de líquidos do nosso corpo. A desidratação pode intensificar a sensação de ressaca, principalmente se consumido em grandes quantidades. Então, ao contrário do que se imagina, a água não é simplesmente emblemática, mas é, também, uma forma de combater a eliminação de tanto líquido.

Porém, dependendo da variedade de vinhos que você está provando, a água é um fator crucial para efetuar a limpeza do seu paladar, uma vez que é a bebida que mais se aproxima de algo neutro, por quase não ter gosto e nem sabor. Outras bebidas deixariam, facilmente, algum gosto na boca, prejudicando a percepção do sabor do vinho, principalmente na degustação de vários estilos numa mesma ocasião. Sendo assim, também é praxe entre os apreciadores, tomar uma taça de água mineral no intervalo de dois vinhos distintos. Logo, a água não deixaria os sabores remanescentes interferirem uns nos outros.

Marco Antonio Carbonari comenta que a etiqueta não tem regra definida quando se fala de água com gás, porém, o melhor para o paladar é optar pela água sem gás, de modo a não alterar sua experiência gustativa. Ou seja, a água gaseificada  apresenta um teor mais elevado de sais minerais em sua composição e isso pode afetar o sabor do vinho, diminuindo o potencial da bebida, ou até mesmo “roubando” o sabor dos vinhos mais delicados.

Geralmente, o vinho banco é melhor quando combinado com água sem gás, pois são mais suaves. O rosé pode ser acompanhado pelas duas formas, dependendo da sua força e corpo. Se for mais intenso, a água com gás funcionará melhor. Se for mais suave, escolha a tradicional. Os vinhos tintos mais jovens vão melhor com águas pouco mineralizadas, enquanto os vinhos encorpados combinam com níveis mais altos de minerais, porque potencializam os taninos.

Para finalizar, a temperatura em que a água é ingerida se torna de extrema importância na limpeza do paladar, pois se estiver entre 20 a 25°C (temperatura ambiente) não compromete a percepção do sabor, uma vez que quando muito gelada ou muito quente, a bebida acaba “ativando” ainda mais os termorreceptores e dessensibilizando os quimiorreceptores. De forma simplificada, Marco Antonio Carbonari explica que a água sem ser na temperatura ambiente inibe as papilas gustativas.

Artigo anteriorItens que amantes de vinho precisam ter em casa
Próximo artigoAlvo do gabinete do ódio, Pacheco sofre com fake news de bolsonaristas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui