Polícia investiga ameaça a jovem negro em shopping de Porto Alegre: ‘Melanina da minha pele me faz parecer suspeito’


Segurança armado teria abordado rapaz de 28 anos em um banheiro do estabelecimento. Shopping e loja alegam que não admitem comportamentos preconceituosos. Delegado diz que caso é tratado como ameaça e será encaminhado ao Judiciário. Jovem protesta contra racismo após abordagem em Porto Alegre
A Polícia Civil de Porto Alegre investiga um caso de ameaça contra um produtor audiovisual negro que relata ter sido abordado por um segurança armado dentro do banheiro de um shopping da Capital, no dia 12. O caso repercutiu nas redes sociais, após Jeferson Silva, de 28 anos, fazer um vídeo denunciando a ocorrência. Veja trecho acima.
“Eu não entendi o porquê de tanto medo se eu sou inocente. Ah, é porque a quantidade de melanina na minha pele me faz parecer suspeito. É porque, mesmo com duas faculdades, eu sou preto”, questiona.
O rapaz confirmou o episódio ao G1. O caso aconteceu no Rua da Praia Shopping, no Centro Histórico da Capital. Jeferson conta que iria almoçar com a mãe e que, ao aguardá-la, após olhar vitrines do centro comercial, foi abordado por um segurança à paisana no banheiro. O indivíduo teria apontado uma arma contra o produtor, exigindo informações sobre sua presença no estabelecimento.
Em nota publicada nas redes sociais, o Rua da Praia Shopping diz que o segurança em questão é contratado das Lojas Lebes, que atende no interior do centro comercial, e que “não admite qualquer tipo de ato racista e desagregador”. Veja a nota completa abaixo.
Em contato com o G1, as Lojas Lebes alegam que estão apurando o caso e que o segurança seria de uma empresa terceirizada. “Atitudes discriminatórias e preconceituosas não fazem parte do nosso código de conduta e ética”, comentam. Veja a nota completa abaixo.
Abordagem teria ocorrido dentro de shopping em Porto Alegre; estabelecimento afirma que segurança era de loja
Reprodução/Facebook
O delegado Daniel Ordahi, titular da 17ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, explica que a investigação trabalha com a hipótese de ameaça e que vai apurar a procedência da arma que teria sido usada na abordagem.
“A pessoa que ameaçou vai ser identificada e [o caso] vai ser remetido à Justiça. Tem a questão da arma de fogo, nós vamos ver se tem imagens. Vamos chamar tanto a vítima quanto o autor”, diz.
Produtor de cinema relata ameaça em shopping de Porto Alegre
Detalhes
O jovem, formado em Cinema e Relações Internacionais, diz ter lembrado de casos como o de João Alberto Freitas, morto espancado dentro de uma loja do Carrefour em Porto Alegre, em novembro de 2020.
“Eu pedi para que ele se identificasse e ele aumentou a voz, colocou a mão na cintura e disse para eu colocar as mãos para cima, que aquilo não era uma brincadeira. Eu pedi uma identificação e ele apontou uma arma para mim”, relata.
Jeferson diz que, de início, se negou a dar suas informações pessoais ao homem. Ele conta ter sido pressionado contra uma parede pelo indivíduo.
“Acuado e com medo, eu ergui as mãos e dei as informações que ele pediu, onde eu morava, o que eu estava fazendo no shopping, de onde eu vinha, quem são meus pais”, detalha.
Ao procurar a direção do shopping, Jeferson diz que recebeu um cartão com telefones e um pedido de desculpas. Ele tentou ligar para os números indicados, mão não obteve sucesso.
“Eu não vou deixar que isso passe em vão. Eu não vou ser mais uma vítima silenciada. Eu não vou permitir que outras pessoas passem pelo mesmo que eu passei, por essa aberração que é o comportamento racista do país”, afirma.
Publicação de Jeferson Silva nas redes sociais teve mais de 10 mil visualizações
Reprodução/Instagram
Nota do Rua da Praia Shopping:
“Em primeiro lugar, sobre o ocorrido com o cliente Jeferson Silva, o Rua da Praia Shopping se solidariza com a sua dor. Nossa empresa não admite qualquer tipo de ato racista e desagregador. Toda ação e posicionamento são pensados a priorizar, em primeiro lugar, o respeito ao ser humano, repudiando qualquer ato de discriminação.
Cabe esclarecer que nossos orientadores recebem treinamento qualificado e constante, com todo o foco em valores ligados ao respeito e em defesa da igualdade, integridade e diversidade, de maneira a repudiar intolerâncias de qualquer natureza.
O segurança em questão não faz parte da equipe de seguranças do Shopping. Trata-se de um colaborador exclusivamente contratado pela loja Lebes, sem qualquer relação com o efetivo de segurança do Shopping.
Como providência, enviaremos comunicado às lojas pedindo o máximo de cuidado com os profissionais que contratam, e que estejam efetivamente treinados nos mesmos moldes aqui mencionados, em alinhamento com os valores do Shopping, que jamais tolerariam qualquer tipo de abuso e discriminação.
A administração do Rua da Praia se colocou e se mantém a disposição para auxiliar o cliente Jeferson Silva no que for necessário.”
Nota das Lojas Lebes:
“Em decorrência dos fatos relatados no último dia 12 de agosto, pelo cliente do Rua da Praia Shopping, queremos comunicar que estamos apurando os fatos com rigor e respeito aos envolvidos, e que todas as medidas possíveis já estão sendo tomadas para que episódios como o noticiado não aconteçam.
Reforçamos que o profissional de segurança envolvido na abordagem ao cliente não é colaborador direto da Lebes e sim de empresa terceirizada. Desta forma, estamos realinhando o termo de conduta com os nossos fornecedores e reforçando o treinamento também de nossos colaboradores. Além disso, decidimos não manter mais a nossa operação no Rua da Praia Shopping.
Por fim, reiteramos que atitudes discriminatórias e preconceituosas não fazem parte do nosso código de conduta e ética, pois fere a cultura e os valores da empresa que preza pela igualdade e respeito a todos.”
VÍDEOS: Tudo sobre o RS

Artigo anteriorAliExpress abre plataforma para vendedores brasileiros
Próximo artigoDivergência sobre receita de municípios leva Câmara a adiar de novo votação da reforma do IR