Mercado Pago passa a oferecer crédito para vendedores


Mercado Pago tem a terceira maior carteira digital do país, com mais de 15 milhões de usuários. Mercado Pago
Divulgação
Mercado Pago, fintech do Mercado Livre, começará a oferecer crédito no chamado “mar aberto”, ou seja, para clientes com os quais não tinha relacionamento prévio. Até então, só podiam tomar crédito os clientes que tinham uma linha de crédito pré-aprovada. O Mercado Pago tem a terceira maior carteira digital do Brasil, com mais de 15 milhões de usuários ativos.
Segundo o Mercado Pago, vendedores da companhia e do Mercado Livre poderão solicitar uma linha de crédito através do desktop ou do aplicativo, com análise feita em até quatro dias úteis.
A fintech registrou, no último trimestre, mais de 8,3 milhões de vendedores únicos, além de 12 milhões de vendedores da plataforma Mercado Livre.
“Nosso objetivo é tornar o crédito cada vez mais acessível e simplificar os processos, facilitando os caminhos de quem precisa de uma injeção de capital para tomar fôlego ou dar um passo adiante e aproveitar uma oportunidade de negócio”, explica em nota Túlio Oliveira, vice-presidente do Mercado Pago.
Inicialmente são três modalidades. A linha de capital de giro é voltada para pequenos comerciantes, autônomos e microempreendedores. Os valores vão de R$ 100 a R$ 500 mil, com parcelamento em até R$ 24 vezes.
Na modalide “crédito com amortizações flexíveis”, os empreendedores podem pagar por meio da retenção de um percentual das vendas. Já a linha “dinheiro express” oferece crédito de curto prazo para contratação e pagamento em até 7, 14 ou 21 dias.
Segundo o balanço do Mercado Livre no segundo trimestre, o Mercado Crédito já tem uma carteira de US$ 810 milhões, quase cinco vezes o volume do segundo trimestre de 2020. Só de abril a junho foram originados mais de US$ 700 milhões em crédito. A inadimplência, no entanto, é muito elevada, chegando a 29,6%.
Além do crédito para os comerciantes da plataforma, a Mercado Pago também oferece crédito aos consumidores, via uma espécie de crediário.
“Como um canal importante para o crédito ao consumidor, o recurso ‘compre agora, pague depois’ dentro da nossa carteira já atingiu taxas de penetração de dois dígitos no Brasil e México”, disse o CEO do Mercado Livre, Pedro Arnt, na teleconferência de resultados do segundo trimestre.
“Alcançamos aproximadamente 27 milhões de consumidores com linhas de crédito aprovadas na região até o momento, quase nove vezes mais do que no segundo trimestre do ano passado”, acrescentou.

Artigo anteriorBR Distribuidora passa a se chamar Vibra Energia; postos manterão símbolo BR
Próximo artigoConfiança do industrial gaúcho atinge o maior nível do ano