Menino desliga disjuntor de posto de saúde em Capão da Canoa e 3 mil doses de vacina são afetadas


Como criança envolvida tem 11 anos, Polícia Civil não vai instaurar procedimento criminal. Delegada afirma que mãe repreendeu menino pela atitude. Doses prejudicadas são de imunizantes Covid, Influenza e outras doenças. Posto de saúde em Capão da Canoa armazenava vacinas contra Covid e Influenza
Prefeitura de Capão da Canoa/Divulgação
Um total de 2.994 vacinas contra diversas doenças foram prejudicadas após o disjuntor de um posto de saúde ter sido desligado, na noite de sábado (14), em Capão da Canoa, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. De acordo com a Polícia Civil, um menino de 11 anos desligou o equipamento enquanto andava de bicicleta próximo ao local.
Segundo o município, são doses contra a Covid-19, Influenza e outras doenças. As doses ainda não foram descartadas. “Destino será dado após orientação do MS e SES”, informou a prefeitura.
Em nota, o executivo classificou a ação como uma “atitude maldosa e infeliz”. O caso na unidade de saúde do bairro São Jorge foi informado à Secretaria Estadual da Saúde e ao Ministério da Saúde. Leia a íntegra abaixo
A criança foi identificada por câmeras de segurança após a polícia reconhecer a bicicleta e o cachorro que acompanhava o menino. A delegada Sabrina Deffente relata que a mãe cobrou respostas do filho, que acabou confessando ter desligado o disjuntor.
“A mãe não sabia de nada e chamou a criança. Ela foi bastante firme”, diz Deffente.
A delegada afirma que, por ser menor de 12 anos, o menino é inimputável. Assim, não será aberto procedimento criminal.
“Ele viu o disjuntor, disse que não se deu conta que era do posto de saúde, e desligou de brincadeira”, afirma a delegada.
O irmão do menino e a namorada acompanhavam o garoto. Entretanto, a polícia afirma que eles estavam adiante dele, e que não presenciaram o ato.
Ainda que sem responsabilização penal, o caso será encaminhado pela polícia ao Ministério Público. Eventualmente, o órgão pode apurar alguma responsabilização paralela.
A polícia ainda aponta que, segundo a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), os disjuntores precisam ficar em locais baixos e de fácil acesso.
Doses afetadas
A Prefeitura de Capão da Canoa afirma que, “embora as câmaras de conservação tenham bateria, a oscilação de temperatura prejudica a eficácia da vacina”. Quase 3 mil doses eram armazenadas no posto de saúde.
Coronavac (2ª dose): 258 doses
Astrazeneca (2ª dose): 230 doses
Pfizer (1ª dose): 114 doses
Pfizer (2ª dose): 138 doses
Influenza: 440 doses
Vacinas de rotina: 1.814 doses (utilizadas em crianças, bebês, idosos, gestantes, adolescentes e adultos)
Nota da Prefeitura de Capão da Canoa
“Por volta das 23h30 de sábado (14), a caixa de luz do ESF do bairro São Jorge foi quebrada e o disjuntor foi desligado. Por essa atitude maldosa e infeliz, centenas de doses de vacina foram perdidas. As câmeras flagram um casal e uma criança, que vai em direção ao poste e desliga a chave de luz. A partir desse momento, as câmeras se desligam devido à falta de energia. Embora as câmaras de conservação tenham bateria, a oscilação de temperatura prejudica a eficácia da vacina.
A Prefeitura de Capão da Canoa registrou boletim de ocorrência e enviou relatório ao Governo do Rio Grande para análise das amostras e posteriores encaminhamentos a serem tomados. A administração municipal lamenta um ato tão irresponsável em um cenário de pandemia e está tomando as providências cabíveis.”
VÍDEOS: Tudo sobre o RS

Artigo anteriorLançada oficialmente pelo governo gaúcho, a 44ª Expointer terá protocolos sanitários rigorosos e foco nos negócios
Próximo artigoPolíticas com ‘eventuais retornos eleitorais’ dificultam ação do BC e elevam risco, diz órgão do Senado