Mãe vira ré por morte de menino em Imbé; Justiça aguarda perícia sobre insanidade mental de companheira


Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues e Bruna Nathiele Porto da Rosa foram denunciadas pelo Ministério Público por tortura, homicídio e ocultação do cadáver de Miguel Rodrigues dos Santos. Vídeo mostra mãe e companheira são acusadas da morte de Miguel carregando mala em Imbé
O Cartório da 1ª Vara Criminal de Tramandaí, no Litoral Norte, confirmou, nesta quarta-feira (18), que a mãe do menino Miguel Rodrigues dos Santos, de sete anos, Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, de 26 anos, é ré por homicídio, tortura e ocultação de cadáver. Ela foi denunciada pelo Ministério Público por matar e jogar o corpo do filho no Rio Tramandaí, em Imbé, no dia 27 de julho.
“Ela vai falar o que aconteceu no interrogatório dela”, diz Jean Severo, advogado de Yasmin.
Já a companheira dela, Bruna Nathiele Porto da Rosa, de 23, está com o processo suspenso. A Justiça aguarda a perícia do Instituto Psiquiátrico Forense (IPF) “em razão da instauração do incidente de insanidade mental, que está em andamento”.
As duas seguem presas. O G1 tenta contato com a defesa de Bruna.
Bruna teria um grau leve de autismo. Ela também precisou ser removida da penitenciária após tentar suicídio, segundo a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe).
ENTENDA O CASO: Menino morto pela mãe em Imbé (RS)
Mãe pesquisou na internet se ‘digitais humanas saem na água salgada do mar’
Avó de menino tinha feito pedido de guarda da criança
Na terça (17), a Polícia Civil divulgou imagens de várias câmeras de segurança, que flagraram as duas caminhando pelas ruas na madrugada do crime, entre 1h e 2h, com uma mala. Segundo o delegado responsável pelo caso, Antonio Carlos Ractz, elas andaram cerca de 2km com o corpo do menino.
Em outros trechos, elas já aparecem retornando pelo mesmo caminho sem o objeto. Veja vídeo acima.
Segundo a denúncia feita pelo MP-RS à Justiça, as mulheres teriam rompido as articulações de Miguel para o colocar na mala.
“Após a prática do segundo fato (homicídio), as denunciadas romperam as articulações dos membros inferiores e superiores do corpo da vítima, com instrumentos próprios para tal ato, e o colocaram em uma posição semelhante à fetal, acondicionando-o dentro de uma mala de viagem”, descreve a promotoria na denúncia.
LEIA TAMBÉM
Família encontra, enterrado em quintal, corpo de mulher que estava desaparecida em São Paulo
Polícia fez escavação onde corpo de escoteiro desaparecido há 36 anos pode ter sido enterrado
Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues e Bruna Nathiele Porto da Rosa
Divulgação
21º dia de buscas pelo corpo
O Corpo de Bombeiros do Litoral Norte segue as buscas pelo corpo de Miguel. Esta quarta-feira (18) é o 21º dia de buscas.
Segundo o responsável pelas operações, tenente Elísio Lucrécio, os trabalhos se mantém com as guarnições operando pela orla, envolvendo quatro unidades de Bombeiros Militar. “Mesmo com chuva, os trabalhos não param”, diz.
Já foram feitas buscas por terra com cães farejadores, em locais e terrenos onde a família morou, mas nada foi encontrado.
Entenda o caso: corpo de menino morto é jogado em rio em Imbé
Vídeos: Caso Miguel
Initial plugin text

Artigo anteriorPacheco diz que Senado votará PEC que retoma coligações, mas ‘tendência’ é rejeitar mudanças
Próximo artigoGovernador vai colocar R$ 450 mi em obras de Bolsonaro em SC