Fux sinaliza que vai mais ouvir do que falar em encontro com Ciro Nogueira nesta noite

Camarotti diz que há incômodo no STF com pedido de impeachment de ministros
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, sinalizou que vai mais ouvir do que falar em encontro com o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, na noite desta quarta-feira (18). Fux vai ouvir o que tem para dizer o representante do Palácio do Planalto, mas vai dizer pouco.
A reunião acontece depois que o presidente Jair Bolsonaro prometeu apresentar no Senado pedidos de impeachment dos ministros Alexandre Moraes e Luís Roberto Barroso.
A avaliação no STF é que Ciro tenta apaziguar a relação. Mas a desconfiança de ministros da Corte é sobre a disposição do próprio Bolsonaro em, de fato, melhor esse ambiente institucional.
Recentemente, o próprio Fux desmarcou a reunião com presidentes dos poderes depois de ataques feitos por Bolsonaro aos ministros da Corte.
Já o encontro no STF com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a ideia é deixar claro o bom diálogo com o Congresso.
Foi bem recebida na Corte a declaração de Pacheco nesta terça-feira (18) de que não é recomendável para o Brasil a análise do impeachment de ministros do Supremo. Para um integrante do STF, a sinalização foi vista como um “freio institucional importante”.
No Senado, a resposta para essa escalada do presidente Jair Bolsonaro será dada na tramitação da indicação do nome de André Mendonça, ex-AGU, para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal. Apesar da boa impressão causada por Mendonça entre senadores, o nome dele ainda não foi encaminhado para a Comissão de Constituição e Justiça
“O prazo para análise do nome de André Mendoça será dado pelo próprio presidente Bolsonaro. Enquanto ele continuar com essa tensão institucional, não temos como dar prosseguimento por aqui. Esse é um consenso no Senado”, disse ao Blog um senador da cúpula do Legislativo.

Artigo anteriorPIX: golpes usam promessas de descontos em faturas para atrair vítimas
Próximo artigoBovespa fecha no menor patamar desde abril com riscos políticos e fiscais