Fux diz em sessão do STF que diálogo entre poderes nunca foi interrompido

Presidente do STF fez breve discurso na sessão desta quarta, após se reunir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Reunião discutiu desgaste entre Judiciário e Executivo. Luiz Fux: ‘Diálogo entre os poderes nunca foi interrompido’
O ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta quarta-feira (18) que o diálogo entre os poderes nunca foi interrompido.
Fux desmarcou, na semana passada, uma reunião entre entre os chefes dos três poderes. A reunião foi desmarcada após o presidente Jair Bolsonaro intensificar ataques ao Judiciário.
O ministro falou na abertura da sessão desta quarta, após um encontro com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O encontro discutiu a crise entre Judiciário e Executivo.
“Gostaria de comunicar aos eminentes pares que recebi o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que veio debater democracia e falar sobre a importância do diálogo entre os poderes e pedir uma nova reunião, tendo em vista que tivemos pronunciamento desmarcando a reunião”, afirmou Fux.
Fux disse que está em avaliação a possibilidade de remarcar a reunião entre chefes de poderes.
“Como presidente do STF, sigo dialogando com todos os representantes de todos os poderes. Sem prejuízo a uma nova reunião, a questão será reavaliada”, acrescentou Fux.
Rodrigo Pacheco: “a democracia não pode ser questionada da forma como vem sendo questionada no país”
Pacheco
Fux e Pacheco se encontraram em meio ao conturbado ambiente político em Brasília.
Bolsonaro chegou a dizer, na semana passada, que pediria o impeachment dos ministros do STF Luis Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Barroso também é presidente do TSE.
Bolsonaro se tornou alvo de investigações abertas pelos tribunais. Uma delas é o inquérito no TSE que investiga Bolsonaro por ataques sem provas contra as urnas eletrônicas.
Ao sair do encontro com Fux, Pacheco disse que “a democracia no país não pode ser questionada como vem sendo nos últimos dias”.

Artigo anteriorLupo, fabricante de meias e roupas íntimas, pede registro para IPO
Próximo artigoJustiça gaúcha nega habeas corpus para filho que agrediu a mãe e ameaçou “matá-la e assá-la”