Fala de Queiroga contra uso obrigatório de máscara gera incredulidade entre especialistas


Ministro da Saúde deu entrevista a um site bolsonarista, investigado por divulgação de ‘fake news’. ‘Somos contra essa questão de obrigatoriedade’, declarou. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga
Adriano Machado/Reuters
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, provocou incredulidade entre médicos e cientistas nesta quarta-feira (18) ao desprezar um consenso planetário das autoridades de saúde sobre a prevenção da Covid.
Ao conceder entrevista a um site bolsonarista, investigado por divulgar “fake news”, Queiroga disse que é contrário à obrigatoriedade do uso de máscaras.
“Somos contra essa questão de obrigatoriedade. O Brasil é um país que tem muitas leis, e as pessoas infelizmente não as observam. O uso da máscara tem que ser um ato de conscientização. O benefício é de todos, o compromisso é de cada um. Então, não tem sentido essas multas. Não se pode criar uma indústria de multas.”
Queiroga questiona obrigatoriedade da máscara e é criticado por cientistas e médicos
O infectologista Luís Fernando Aranha Camargo ressaltou que esse tipo de declaração atrapalha o controle da pandemia.
“O poder público tem que ter consciência de que essas atitudes levam a ações na frente, na ponta, pela população, de não utilização de máscara. Com a situação da variante delta circulando no Brasil e a notícia de escape vacinal, nós dependeremos fortemente de máscara e de evitar aglomeração nos próximos dias. Portanto, esse tipo de apologia é um desserviço para o controle da pandemia no dia de hoje”, afirmou.
A TV Globo procurou o ministro Queiroga para que ele se manifestasse a respeito das críticas. Ele respondeu repetindo o que disse ao site: que o Brasil tem muitas leis, que as pessoas infelizmente não as observam, que o uso da máscara tem de ser um ato de conscientização em benefício de todos e que o compromisso é de cada um.
Novo estudo comprova eficiência do uso de máscara na redução da pandemia

Artigo anteriorO coronavírus já custou as vidas de 33.849 gaúchos
Próximo artigoCovid: Senado aprova projeto para deduzir IR de empresas que incentivarem pesquisas