Existem pessoas por trás da feia palavra ‘precatório’

O governo federal tenta convencer o Congresso Nacional a dar andamento à PEC dos Precatórios, que adia e parcela o pagamento de dívidas incontestáveis da União já transitadas e julgadas. Com a condução do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, autoridades dos Três Poderes irão se encontrar para tentar construir um caminho para a aprovação da proposta. Em troca, a equipe econômica promete ter margem fiscal para dobrar o valor do Bolsa Família – que será transformado em Auxílio Brasil.

É a política de dar com uma mão e tirar com a outra. Condicionar um necessário programa social ao calote nos precatórios coloca o país em um novo mar de incertezas, jogando o pagamento de dívidas – muitas delas milionárias – a um futuro sem data. O precatório é muito mais que somente um instituto jurídico. Há precatórios que tramitam na Justiça há décadas e milhares de pessoas aguardam os recursos, inclusive, para garantir a própria subsistência.

Uma delas é o ex-motorista de carreta Amaro Antônio da Silva, 63 anos, morador de Campo Alegre, em Alagoas. Amaro é um dos 19 mil credores de um dos maiores processos falimentares do Brasil – a Massa Falida da Usina Laginha, do Grupo João Lyra. A falência corre no Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas e o passivo já ultrapassa os R$ 3 bilhões.

O ex-motorista de carreta Amaro Antônio da Silva, 63 anos, morador de Campo Alegre, em AlagoasArquivo pessoal/Arquivo pessoal

Diabético, Amaro precisou amputar as duas pernas entre 2018 e 2020. Dependente de cadeira de rodas e da ajuda da família para se locomover e se sustentar, Amaro carrega a esperança de uma vida melhor na distribuição de dois precatórios que somam mais de R$ 1,5 bilhão. “A gente tem o direito, trabalhou direitinho e hoje mal tem dinheiro para a farmácia”, lamenta o ex-trabalhador da Usina Laginha.

Aguardando reparação financeira há 13 anos, Amaro e o restante dos credores da Laginha dependem do pagamento de precatórios. O primeiro deles, de cerca de R$ 650 milhões, está depositado na conta da Massa Falida há mais de um ano, mas ainda não foi distribuído. A quantia é suficiente para o pagamento de todos os credores extraconcursais – que tem prioridade de pagamento segundo a Lei de Falências – e de parte dos concursais. Em 9 de junho deste ano, a 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) negou recurso da União e determinou a transferência do dinheiro para o juízo falimentar.

Já o segundo precatório chegou à conta da Laginha em julho deste ano, no valor de R$ 914 milhões – 55% pertencem a Laginha e 45% pertencem a fundos de investimentos. Os ativos são fruto de precatórios recebidos pela Usina Laginha por determinação do TRF1. O crédito é referente a ação impetrada pela Laginha nos anos 1990 contra a União que tem como base a Lei 4.870, que estipula ressarcimento de danos patrimoniais em virtude dos preços praticados pelo extinto Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA) para comercialização do açúcar e do álcool que estavam em desacordo com a legislação vigente a partir da safra de 1983/1984.

Em resposta ao blog, por meio da assessoria de imprensa, a presidência do TRF-1 confirmou o depósito dos precatórios em instituição financeira, entretanto, esclareceu que a competência para análise de transferência do valor depositado é do Juízo Federal da 9ª Vara do DF, que não retornou os contatos da reportagem.

Artigo anteriorGoverno diz buscar soluções para ‘amenizar’ reajustes na conta de luz em 2022
Próximo artigoCâmara aprova projeto que envia assassinos de policiais e familiares para cadeias federais