Dono da Precisa não faz juramento de dizer a verdade e opta por não responder às perguntas sobre Covaxin

O dono da empresa Precisa, Francisco Maximiano, não quis prestar o juramento de dizer a verdade na CPI da Covid nesta quinta-feira (19) e também optou por não responder às perguntas feitas pelo relator, Renan Calheiros (MDB-AL), sobre o caso Covaxin.
“Por favor, não entenda como uma afronta, mas vou exercer o direito ao silêncio”, disse Maximiano ao relator, em uma das vezes em que foi questionado sobre as tratativas para a compra da vacina indiana.
A Precisa atuou como uma intermediária entre o laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da vacina Covaxin, e o Ministério da Saúde. A empresa nunca divulgou detalhes do contrato, incluindo o valor que arrecadaria como representante brasileira na negociação.
Diante de denúncias de irregularidades, o contrato foi suspenso, mas o governo brasileiro já havia separado R$ 1,6 bilhão para a compra de 20 milhões de doses.
Esta reportagem está em atualização.

Artigo anteriorBrasil vai enviar bombeiros e insumos para o Haiti, diz Itamaraty
Próximo artigoExpointer 2021 terá protocolos rigorosos, diz subsecretário do Parque Assis Brasil