Prefeitura de Bagé altera ordem do Ministério da Saúde e vacina agentes funerários; MP investiga

Esta é a segunda modificação do cronograma feito pelo prefeito Divaldo Lara. Prefeitura admite alterações e diz que já imunizou agentes da segurança pública. Prefeitura de Bagé decide antecipar a vacinação contra a Covid em agentes funerários
A Prefeitura de Bagé, no Sul do Rio Grande do Sul, alterou o cronograma do Ministério da Saúde e antecipou a vacinação dos agentes funerários. Dos cerca de 40 agentes do município, 10 receberam a primeira dose na segunda-feira (29).
O prefeito Divaldo Lara admite que sabe que não pode alterar a ordem da vacinação, mas, como não concorda com a ordenação do Plano Nacional de Imunização (PNI), decidiu fazer as modificações.
“Falta atitude dos líderes municipais de outras cidades, porque não estão priorizando quem está na linha de frente. Precisamos ir contra o sistema quando existem regras erradas. Em Bagé, não teremos mais luto por profissionais da segurança, e isto vale qualquer processo que eu venha a receber”, disse Lara.
Esta é a segunda vez que o prefeito muda a ordem de distribuição da vacina prevista pelo PNI. Antes foram os agentes da área da segurança pública na ativa, que, segundo a prefeitura, já foram todos imunizados.
O Ministério Público irá apurar as duas práticas em uma investigação para verificar se o prefeito cometeu crime de responsabilidade e improbidade administrativa. “As sanções previstas incluem multa, cassação dos direitos políticos, proibição do direito de contratar e perda do mandato”, informou, em nota, o MP-RS. (Veja a nota mais abaixo)
Lara se baseia na autonomia dada aos municípios para organizarem os esquemas de imunização dentro do grupo prioritário. Nesta etapa, são priorizados idosos, profissionais da área da saúde e indígenas.
Veja os grupos priorizados no PNI: 5.081.552 pessoas
Trabalhadores da saúde
Pessoas de 80 anos ou mais
Pessoas de 75 anos a 79 anos
Pessoas de 70 anos a 74 anos
Pessoas de 65 anos a 69 anos
Pessoas de 60 anos a 64 anos
Pessoas de 60 anos ou mais institucionalizados
População indígena
Comorbidades
Força de segurança e salvamento
Trabalhadores da educação
Pessoas com deficiência permanente severa
Caminhoneiros
Trabalhadores de transporte rodoviário e metropolitano
Trabalhadores de transporte aéreo
Trabalhadores portuários
População privada de liberdade
Funcionários do sistema de privação de liberdade
Nota do MP
O Ministério Público do Rio Grande do Sul instaurou na Procuradoria de Prefeitos um expediente para avaliar sobre o prisma do crime de responsabilidade a decisão do Prefeito de Bagé de alterar a ordem dos grupos na vacinação. Também foi instaurado na promotoria de Justiça de Bagé um expediente para avaliar o fato sobre o prisma da improbidade administrativa. As sanções previstas incluem multa, cassação dos direitos políticos, proibição do direito de contratar e perda do mandato.
Vídeos: Jornal do Almoço
,
Initial plugin text