Asilo de idosos em Não-Me-Toque confirma quarta morte após surto de covid

Localizado na cidade gaúcha de Não-Me-Toque (Região Norte do Estado), um asilo geriátrico registrou a quarta morte desde que o começo o final de julho, quando teve confirmado um surto de covid entre funcionários e internos. Todas as vítimas residiam na instituição, eram idosas (89, 94, 74 e 93 anos) e estavam vacinadas, mas sofriam de comorbidades.

O estabelecimento, conhecido como Lar São Vicente de Paulo, teve outros oito idosos com teste positivo para coronavírus, totalizando assim 12 casos entre os residentes, uma proporção de 30%, já que 40 velhinhos moram no local.

No que se refere aos 42 trabalhadores, sete foram infectados – dois permaneciam em quarentena domiciliar até esta terça-feira (27). A incidência, nesse caso, é menor: 16,6%

Não-Me-Toque não é o único município do Rio Grande do Sul com esse tipo de ambiente com onda de casos da doença nas últimas semanas. Em Carazinho, na mesma região do mapa, um asilo foi cenário de 26 contágios (sete funcionários e 19 idosos). A boa notícia é que nenhuma ocorrência resultou em óbito.

Monitoramento

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) divulgou uma nota informativa sobre surtos em estabelecimentos do setor. Conforme o órgão, o aumento desse tipo de situação e a ameaça da variante Delta do coronavírus no Rio Grande do Sul motivaram um reforço no monitoramento pelas autoridades gaúchas.

A partir de agora, as notificações de surtos de covid serão inseridas em estatística centralizada pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs). Também estão sendo adotados critérios mais claros para registro, investigação, ações de controle, testagem e isolamento.

O assunto foi tema nesta terça-feira (17) de reunião entre o Núcleo de Doenças Respiratórias do Cevs com as vigilâncias das coordenadorias regionais, hospitais e secretarias municipais.

A partir da identificação de um caso de infecção por coronavírus em hospital ou dois casos em trabalhadores da saúde, o estabelecimento deverá comunicar o fato à vigilância epidemiológica municipal e ao Cevs em até 24 horas.

Já na investigação do surto deverão ser buscadas informações a respeito do paciente índice (data de admissão, diagnóstico, caminho percorrido na instituição, sinais e sintomas ocasionados pelo evento, incluindo óbito).

Essas e outras medidas, como a elaboração de plano de contingência com medidas de controle e contenção, podem ser acessadas no site estado.rs.gov.br.

Outro aspecto fundamental ressaltado pelo texto diz respeito à vacinação contra o coronavírus, tema que ainda é motivo de dúvidas e desinformação por muitas pessoas.

A Secretaria Estadual da Saúde reitera que a possibilidade de contágio por coronavírus e de manifestação de sintomas da covid (incluindo risco de óbito) existe mesmo para quem já recebeu as duas doses de Coronavac, Oxford e Pfizer ou a dose única da Janssen. Daí a importância de que sejam mantidos os cuidados básicos de prevenção.

(Marcello Campos)

Artigo anteriorEconomia da Colômbia cresce 17,6% no segundo trimestre apoiada em varejo e lazer
Próximo artigoPGR pede ao STF que ministros tenham ‘razoabilidade’ ao fixar prazo para manifestação do MP