Agressões e posições anticientíficas que levam à morte não são liberdade de expressão, diz Barroso

O ministro Luis Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou em sessão da Corte nesta quinta-feira (19) que agressões e posições anticientíficas que levam à morte não são liberdade de expressão.
Barroso deu a declaração enquanto cumprimentava o ministro Luís Felipe Salomão, também presente à sessão. Na segunda (16), Salomão determinou o bloqueio dos repasses de dinheiro de redes sociais para os canais de internet investigados por terem propagado fake news contra o sistema eleitoral.
“A mentira deliberada, o ódio e as teorias conspiratórias e a difusão da desinformação incentivando a agressão, posições anticientíficas que levam à morte das pessoas, isso não é neutro, isto não é protegido pela liberdade de expressão. Não há dinheiro que se possa ganhar com isso que justifique uma neutralidade que, na verdade, é um proveito financeiro do mal que nós precisamos enfrentar”, afirmou.
Barroso disse que é preciso “pacificar o Brasil contra o ódio” e que a democracia tem espaço para todos”, mas não para a disseminação do ódio e para a difusão de mentiras deliberadas e de ataque às instituições.
“Precisamos virar esse jogo e fazer com que o bem prevaleça sobre o mal. Eu repito, tem espaço para todas as visões de mundo que não sejam baseadas na violência e na intolerância. E é isso que o Tribunal Superior Eleitoral defende”, afirmou.
O ministro também pediu atenção para eventual legislação sobre o tema. precisar vir. “Plataformas tecnológicas: dinheiro não é tudo na vida. É preciso cultivar valores que mantenham o tecido social com um mínimo de civilidade e de urbanidade numa democracia.”

Artigo anteriorExpointer 2021 terá protocolos rigorosos, diz subsecretário do Parque Assis Brasil
Próximo artigoMais duas mortes são registradas no Hospital Conceição de Porto Alegre e total chega a 12