Estrutura para vacinar gaúchos contra a Covid-19 é preparada pelo governo gaúcho

Em reunião nesta quarta, equipe da Secretaria da Saúde alinha estratégias para a logística de vacinação no RS.

Foto: Marília Bissigo/Ascom SES

Em reunião nesta quarta, equipe da Secretaria da Saúde alinha estratégias para a logística de vacinação no RS. (Foto: Marília Bissigo/Ascom SES)

Com previsão de o Ministério da Saúde iniciar a campanha de vacinação contra a Covid-19 na segunda quinzena de janeiro, a secretária da Saúde, Arita Bergmann, diretores e técnicos da SES (Secretaria da Saúde) se reuniram nesta quarta-feira (13) para acertar o detalhamento do plano estadual, em elaboração desde dezembro.

Enquanto não existem definições específicas do governo federal para a data de início da campanha e a quantidade de doses a ser enviada aos Estados, a equipe da SES alinha estratégias para a logística de vacinação no RS.

“Assim que a vacina chegar ao Rio Grande do Sul, já temos estrutura e planejamento para iniciar a vacinação”, afirma Arita. De acordo com a diretora do Cevs (Centro Estadual de Vigilância em Saúde), Cynthia Molina-Bastos, o processo de vacinação contra a Covid-19 será o mesmo de outras campanhas de imunização, como a da influenza, realizada anualmente.

A secretária Arita informou que o Ministério da Saúde sinaliza adquirir todas as vacinas liberadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), e fará a distribuição das doses de forma igualitária entre os Estados. Da mesma forma, o governo do Estado distribuirá aos municípios quantidade proporcional à população a ser vacinada.

De acordo com o Plano Nacional de Imunização, os grupos prioritários para a campanha são profissionais na linha de frente em contato direto com o vírus, como pessoas que trabalham em UTI (Unidades de Tratamento Intensivo), centros de triagem e Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência); idosos em lares de longa permanência; idosos fora desses lares escalonados por faixa etária (mais de 80 anos; de 75 a 79 anos; de 70 a 74 anos); indígenas e quilombolas. A estimativa é que cerca de 1 milhão de pessoas façam parte dessas populações.

“Como a quantidade a ser recebida inicialmente talvez não seja suficiente para aplicar as doses em toda essa população de uma vez, teremos de adotar critérios. De qualquer forma, se tivermos que fazer escolhas, os primeiros a receber serão profissionais que trabalham diretamente no atendimento a pacientes Covid. Teremos que nos adequar à quantidade disponível”, ressalta Arita.

Em relação às agulhas e seringas, a SES terminou 2020 com um estoque de 4,5 milhões de seringas, e foram adquiridas, por registro de preços, mais 10 milhões de seringas agulhadas. A entrega desses insumos aos municípios será escalonada e integrada com a distribuição da vacina. De acordo com a secretária, esses itens, além da possibilidade de recebimento de agulhas e seringas do Ministério da Saúde somados aos estoques dos municípios, serão suficientes para atender toda a demanda da vacinação contra a Covid e das outras campanhas que ocorrem em paralelo (como influenza, sarampo e todo o calendário básico de vacinação).

Sobre armazenamento de vacinas, Arita destacou: “temos capacidade adequada tanto em Porto Alegre como nas CRS (Coordenadorias Regionais de Saúde) para armazenar e conservar as vacinas da Covid”. Nas últimas semanas, a SES fez a entrega de 43 câmaras de conservação no interior. Somadas às já existentes nas CRS, agora totaliza estrutura de 96 câmaras refrigeradas.

A rede de logística de vacinação do Rio Grande do Sul é formada por 18 Centrais Regionais de Frio (uma em cada CRS), uma Ceadi (Central Estadual de Distribuição e Armazenamento de Imunobiológicos), dois Cries (Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais) – um estadual e um do município de Porto Alegre. Também há cerca de 1.800 salas de vacinas em todo o Estado.

A Ceadi tem área de armazenamento de 160 m³, composta por duas câmaras frigoríficas fixas (total de 94 m³) e um contêiner externo auxiliar (59 m³), todos funcionando em temperatura na faixa de 2°C a 8°C. De imediato, é possível armazenar até 3 milhões de doses de vacina. Para a distribuição pelo Estado, a Ceadi tem um caminhão baú refrigerado, com capacidade de transportar até 600 mil doses por vez. Mais um caminhão baú chegará em fevereiro, e há possibilidade de locação de mais dois veículos e parceria com empresas privadas ou órgãos estatais. “Para agilizar o processo, as coordenadorias e municípios podem vir até Porto Alegre buscar”, informou Arita.

Em cada município, a gestão local poderá definir as melhores formas de vacinar sua população e evitar aglomerações, como indicar locais e horários que funcionem melhor para cada realidade. “Também poderão ser deslocados profissionais vacinadores aos lares de idosos e em casos em que as pessoas tenham dificuldades de locomoção”, exemplificou a secretária.

O secretário-executivo do Cosems-RS (Conselho das Secretarias Municipais de Saúde), Diego Espíndola, falou que os municípios e o Estado trabalham juntos para garantir agilidade e acesso da população à vacinação contra a Covid. “Queremos levar essa vacina aos quatro cantos do Rio Grande. Estamos ampliando a rede de frio do Programa Estadual de Imunizações e isso faz com que os gaúchos possam se vacinar o quanto antes”, disse Espíndola.

Voltar Todas de Rio Grande do Sul