Quase 30% dos motociclistas gaúchos envolvidos em acidentes com morte não tinham a carteira de habilitação

Estatística tem por base dados de 1.471 acidentes fatais em 2019. (Foto: EBC)

Um estudo realizado pelo Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran-RS) aponta que 27,7% dos motociclistas envolvidos em acidentes ao longo de 2019 não tinham Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Já entre os motoristas de veículos com quatro rodas, o índice foi de 8,3%.

O relatório estatístico tem por base dados referentes a 1.471 acidentes fatais, com 1.617 mortos e 1.888 condutores e motociclistas envolvidos, ativamente ou não. Ao menos 249 pessoas (13%) que conduziam veículo automotor no momento do acidente não passaram pelo processo de primeira habilitação, que é obrigatório e inclui aulas e provas, tanto teóricas quanto práticas.

De acordo com o órgão, os números e índices reforçam a importância do processo de formação de condutores. “Não ter a formação adequada é um fator de risco altíssimo, principalmente para motociclistas. A habilitação com um instrutor qualificado em um Centro de Formação de Condutores [CFC, antigamente conhecido como “autoescola”] é crucial na prevenção de acidentes”, alerta o diretor-geral do Detran gaúcho, Enio Bacci.

Detalhamento

A partir da análise dos índices de condutores e motociclistas não habilitados envolvidos em acidentes fatais no Rio Grande do Sul no ano retrasado, os técnicos do Departamento buscaram identificar onde o problema esteve mais concentrado durante o período.

As vias municipais concentraram a maior parte dos acidentes com morte envolvendo não habilitados: 57,2% desses acidentes ocorreram dentro das cidades (para o total dos acidentes, o percentual é de 41,3%). As vias estaduais e federais concentraram 42,8% dos acidentes com não habilitados, percentual menor que no total dos acidentes: 58,7%.

O Detran-RS identificou um aumento significativo nos percentuais de choques com objeto fixo e tombamento. Ambos somavam 22% do total de acidentes no Estado, mas, entre os acidentes com envolvimento de condutores/motociclistas não habilitados, esse percentual chega a 33%.

Nos atropelamentos, foi observada uma redução de 23% para 9% ao se fazer essa comparação. Isso pode ocorrer porque, em alguns casos de atropelamento, o condutor foge do local, impedindo a identificação na ocorrência.

Nas madrugadas, manhãs e tardes, o índice de condutores e motociclistas não habilitados envolvidos em acidentes fatais aumentou discretamente. O turno da noite parece diminuir na análise desse recorte de acidentes. Entretanto, essas variações não foram consideradas estatisticamente significativas.

Já no que se refere aos dias da semana, o Detran-RS constatou um aumento na proporção de motoristas não habilitados envolvidos em acidentes aos domingos: de 18,2% do total de acidentes registrados no Estado para 25,2% com envolvimento de não habilitados. Em contrapartida, nas quartas e quintas observou-se redução na soma dos índices de não habilitados, passando de 24,8% para 14,8%.

(Marcello Campos)

Voltar Todas de Rio Grande do Sul