Brasileira vítima de tentativa de estupro será beatificada pelo papa

O papa Francisco autorizou, nesta quarta-feira, 28, o decreto de “martírio” para a brasileira Isabel Cristina Mrad Campos, assassinada aos 20 anos de idade quando tentava escapar de uma tentativa de estupro. Por meio do decreto, ela será proclamada beata, último passo antes de ser elevada à santidade.

Isabel nasceu em 1962 no município de Barbacena, em Minas Gerais, em uma família católica. Aos 20 anos, mudou-se com seu irmão para a cidade de Juíz de Fora, no mesmo estado, para fazer um curso pré-vestibular com o objetivo de cursar faculdade de medicina.

No dia 1º de setembro de 1982, quando voltou para seu apartamento, um homem que foi montar um guarda-roupa em seu apartamento tentou violentá-la. Por oferecer resistência, ele a espancou com uma cadeira, amarrou-a, amordaçou-a e rasgou suas roupas. Como continuou a resistir, foi morta com 15 facadas.

Um grupo de pessoas entrou com um processo para sua beatificação, que foi instalado em Barbacena quando Isabel recebeu do Vaticano o título de “serva de Deus”, em 2001. Durante oito anos, um Tribunal Eclesiástico colheu depoimentos de quase 60 pessoas para atestar pela religiosidade da jovem.

Desde sua adolescência, ela fez parte da Associação de Voluntários da “Conferência de São Vicente” e muitos testemunharam sua ajuda às pessoas com deficiência e aos mais pobres. Sua morte violenta foi considerada pelos católicos como um verdadeiro martírio e os fiéis compararam a jovem vítima a Santa Maria Goretti, que também morreu lutando contra seu agressor.

Seu túmulo, localizado na Paróquia Nossa Senhora da Piedade, em Barbacena, é um destino para fiéis de todo o Brasil. Visitantes colocam em seu túmulo pedidos de orações e agradecimento pelas graças alcançadas.

Continua após a publicidade

Além disso, Francisco também aprovou as “virtudes heroicas” do brasileiro Roberto Giovanni, irmão coadjutor da Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele nasceu em Rio Claro, São Paulo, em 1903, e faleceu em Campinas, em 1994.

Passo a passo da santidade

Para tornar-se santo, existem alguns passos necessários na Igreja Católica. Em primeiro lugar, o processo só pode começar cinco anos após a morte do candidato, a não ser que o período de espera seja encurtado pelo próprio Papa.

Depois, é aberta uma investigação para avaliar se o indivíduo viveu com santidade o suficiente. Se as evidências confirmam o caso, seguindo os padrões impostos pela Igreja, o candidato é declarado “servo de Deus”.

O terceiro passo é a prova de “virtude heroica”, em que o Papa examina as evidências para comprovar que o candidato era “venerável” – status do religioso Roberto Giovanni.

O próximo estágio é a beatificação, que requer a atribuição de um milagre às orações feitas ao indivíduo após a sua morte. Ele recebe, então, o título de “bem-aventurado”. No caso de reconhecimento de “martírio”, como o de Isabel, não é necessário que um milagre seja provado.

A etapa final é a canonização. Para chegar a esse estágio, um segundo milagre normalmente precisa ser atribuído ao indivíduo.

(Com EFE)

Continua após a publicidade