Ala do governo quer emplacar Tereza Cristina como sucessora de Maia

Uma ala do governo trabalha para convencer o presidente Bolsonaro a apoiar oficialmente a ministra Tereza Cristina (Agricultura) como nome à sucessão de Rodrigo Maia na presidência da Câmara.

Apesar de a disputa estar distante, já que ocorre em fevereiro, o assunto virou tema prioritário entre integrantes do governo nas últimas semanas.

No Senado, o governo trabalha com a reeleição de Davi Alcolumbre, com quem tem poucos problemas de relacionamento — pelo contrário, o senador está cada vez mais alinhado ao governo. Além disso, palacianos gostam de lembrar que Alcolumbre se elegeu com apoio de Onyx Lorenzoni — o que não ocorreu com Maia na Câmara. O Planalto trabalhou contra a reeleição do presidente da Câmara e, desde então, a relação entre Maia, Planalto e a equipe econômica vive altos e baixos.

Para evitar novos anos de presidência da Câmara como os de Maia, nos quais que ele também barrou e vetou matérias que o governo queria fazer avançar (principalmente na agenda de costumes), um grupo de assessores presidenciais defende que o governo tenha candidata e que seja a ministra Tereza Cristina, do DEM, mesmo partido de Maia e Alcolumbre.

Apesar de ministra de Bolsonaro, Tereza, diferentemente de outros candidatos que querem o apoio do presidente, como Artur Lira, é amiga pessoal de Maia. Portanto, não teria o veto do presidente da Câmara.

O sonho deste grupo que trabalha nos bastidores é que Maia feche o apoio ao nome de Tereza, junto com o Planalto.

Nos bastidores, Maia repete a aliados que seria uma “honra” ser sucedido por uma mulher, a primeira a presidir a Câmara. Mas sabe que enfrentaria a ira a esquerda. Interlocutores do presidente da Casa veem dificuldades para Maia ficar contra a esquerda na Câmara — grupo que foi leal a ele, Maia, durante sua reeleição — e que não votaria em Tereza por conta da agenda do agronegócio.

Nas últimas semanas, a imagem de Tereza se desgastou junto a parlamentares que discutem apoiá-la quando defendeu a polêmica tese do “boi bombeiro”. Além da agenda do agronegócio, o temor de parlamentares de esquerda (cerca de 130) é a de que, se eleita, ela dará prosseguimento a uma agenda conservadora nos costumes — como quer Bolsonaro.

Apesar das avaliações, o governo sabe que, se Maia não pode ficar contra a esquerda, tampouco vetaria o nome de uma de suas melhores amigas para a presidência da Câmara — e, por isso, assessores presidenciais trabalham a ideia da ministra candidata para fevereiro.

VÍDEOS: Veja os comentários de Andréia Sadi

20 vídeos

Articulação política do governo teme que visita de Guedes atrapalhe negociações

Fala de Bolsonaro sobre Lava Jato faz parte de operação para 'apagar' Moro para 2022Sadi: Maia e Guedes estão jogando juntos por enquanto